A+ / A-

Portugueses bebem mais de 50 litros de água engarrafada por ano

22 mar, 2023 - 19:22 • Lusa

Portugal é 35.º em consumo de água engarrafada, apesar de boa água nas torneiras

A+ / A-

Portugal é o 35.º país do mundo com mais consumo de água engarrafada, mais de 50 litros "per capita" em 2021 segundo um estudo da ONU, apesar da boa qualidade da água de torneira no país.

De acordo com a Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR), "a percentagem de água segura em Portugal continental é de 98,96%, um valor considerado de excelência".

No entanto, o país integra a lista dos 50 principais países em consumo de água engarrafada "per capita" em 2021, liderada por Singapura (1.129 l).

No total, foram consumidos em 2021 cerca de um milhão de litros de água engarrafada em Portugal, indica o relatório "Indústria da Água Engarrafada: Análise de Impactos e Tendências".

O estudo do Instituto Universitário para a Água, Ambiente e Saúde da Universidade das Nações Unidas, que abrange 109 países, assinala que a água utilizada pela referida indústria "pode levar ou contribuir para o esgotamento dos recursos hídricos subterrâneos" em áreas de grande consumo em muitas partes do mundo, questão de relevância a nível global dado que "mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo dependem de águas subterrâneas como a sua principal fonte" deste líquido indispensável para a vida.

Refere igualmente que os 270 mil milhões de dólares (250 mil milhões de euros) gastos em 2021 pelos consumidores em água engarrafada seriam suficientes para garantir a disponibilização de água de torneira segura em grande parte do mundo.

O relatório chama ainda a atenção para a relação entre o consumo de água engarrafada e a poluição por plástico, notando que "os recipientes de plástico representam de longe a embalagem mais comum utilizada na indústria" e lembrando que "os materiais plásticos podem levar até 1.000 anos para se degradarem".

A propósito do Dia Mundial da Água, que hoje se assinala, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, realçou a necessidade de aumentar a consciencialização sobre a crise global da água e o agravamento das situações estruturais de escassez.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, já tinha alertado hoje para o facto de a humanidade estar a esgotar os recursos hídricos do planeta, antes do início da Conferência da Água de 2023 das Nações Unidas, sobre as necessidades de milhares de milhões de pessoas, em risco perante uma iminente crise hídrica mundial.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+