A+ / A-

Dia Mundial da Água

"É inevitável". Portugueses vão pagar mais pela água, admite Filipe Duarte Santos

22 mar, 2023 - 07:44 • André Rodrigues

Comissão Europeia prevê verão mais seco do que em anos anteriores. Se a Primavera não trouxer a chuva que é normal para esta altura do ano, " a situação vai tornar-se ainda mais difícil", sobretudo no Algarve e no Litoral Alentejano, onde há barragens "abaixo dos 20%" da capacidade.

A+ / A-

Se não chover nas próximas semanas, Portugal poderá ver confirmadas as previsões da Comissão Europeia, que antecipa um verão ainda mais seco do que em anos anteriores.

Confrontado pela Renascença com este cenário, Filipe Duarte Santos, relator do Painel Intergovernamental das Nações Unidas para as Alterações Climáticas, admite que, “se durante a Primavera não houver precipitação, a situação torna-se ainda mais difícil”, sobretudo “no Barlavento do Algarve e na Costa alentejana”, onde “muitas barragens estão abaixo de 30% abaixo de 40%, algumas abaixo de 20%” da sua capacidade.

Um quadro muito diferente do que se verifica em “grande parte das barragens do país, que estão com cotas de cerca de 70% a 80% no Guadiana, por exemplo, ou nas regiões do Norte e do Centro”.

No futuro, a resposta às secas recorrentes estará na captação das chamadas “disponibilidades alternativas” de água que incluem águas residuais tratadas para a agricultura, “que absorve 76% do total da água consumida em Portugal”, e estações de dessalinização de água, como as que estão projetadas para o Algarve e para o Litoral Alentejano.

“Tudo isto leva um certo tempo a implementar, mas é o caminho a seguir”, assegura este especialista que dá o exemplo de Espanha como país que está “uns bons passos à frente de Portugal” em matéria de aproveitamento de águas para reutilização.

Filipe Duarte Santos diz que Portugal tem a capacidade, “mas falta, ainda, legislação… nisso ainda estamos um pouco atrasados em relação a outros países”.

Também ao nível da dessalinização, “a disparidade é enorme entre Portugal e Espanha”, mas “o investimento que se faz está sempre dependente da orientação política e da capacidade económica de cada país”.

Água mais cara no futuro

Por outro lado, Filipe Duarte Santos reconhece que o aproveitamento alternativo das disponibilidades de água implica processos dispendiosos de tratamento que vão repercutir-se no bolso dos consumidores.

“A água em Portugal não reflete o seu custo real”, alerta o professor universitário que explica que “a forma como se vai calcular o preço da água daqui para a frente – sabendo que a tendência é de maior escassez de água – é uma questão de natureza social e política”.

Mas Filipe Duarte Santos diz não ter ilusões. Questionado sobre a eventual inevitabilidade de uma fatura da água mais pesada para os portugueses, este especialista é taxativo: “é inevitável”.

E justifica: “se nós queremos evitar que haja uma escassez de água, teremos de fazer este percurso que outros países já fizeram, e estão a fazer, devido a essas alterações climáticas que provocam menos precipitação não só em Portugal, mas em Espanha, em Itália, na Grécia, todo o Mediterrâneo e noutras regiões do mundo” onde os períodos de seca prolongados são uma constante.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Teixeira Alves
    22 mar, 2023 Matosinhos 08:19
    O sr Filipe que a pague. Deve ganhar bem para pagar o tempo que passa a tomar banho para lavar as impurezas do pensamento. Está louco. Mais?

Destaques V+