Tempo
|
A+ / A-

Estatísticas vitais

Quase 37 mil. Não se celebravam tantos casamentos desde 2010

20 mar, 2023 - 14:12 • Redação

Em janeiro de 2023, houve 44,5% mais casamentos do que em janeiro de 2022.

A+ / A-

O Instituto Nacional de Estatística (INE) partilhou esta segunda-feira, em destaque, que se celebraram 36.947 casamentos em Portugal em 2022. O número não era tão alto desde 2010, ano em que se legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Em janeiro de 2023, o aumento face ao mês homólogo foi de 44,5%. No total, celebraram-se 1.656 casamentos no primeiro mês do ano, mais 510 do que em janeiro de 2022.

Em 2022, os dados dos casamentos superaram os valores pré-pandemia. Este mês também foi mais rico em casamentos do que os meses de janeiro de 2019 e de 2020, com aumentos de 11% e de 95,5%, respetivamente.

Muitos dos casamentos que decorreram em 2021 e 2022 resultaram de adiamentos forçados de cerimónias pelos períodos de confinamento de 2020. Mas antes de pandemia de Covid, 2019 não foi o ano com mais casamentos, no total.

Apesar disso, 2019 foi o ano em que se celebraram mais casamentos entre pessoas do mesmo sexo, com 677 cerimónias distribuídas entre casais de ambos os sexos.

Na última década, foi em 2018 que mais casamentos se oficializaram em Portugal. Um total de 34.637 casais assinaram um contrato de casamento nesse ano.

Também foi em 2018 que mais pessoas do sexo oposto se casaram, num total de 34.030 cerimónias civis.

Estatísticas vitais abrem 2023 com boas notícas

Também o número de nados-vivos aumentou face ao mês homólogo. Em janeiro de 2023, registou-se o nascimento de 7.146 bebés, o que corresponde a um aumento de 11,8% em comparação com os 6.393 nascidos em janeiro de 2022.

Contudo, o saldo natural continua negativo, situando-se nos -4.756. Apesar disso, verificou-se uma melhoria ligeira face a janeiro de 2022, quando esse valor era de -5.344.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+