Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Saúde admite rever modelo que fechou urgências de pedopsiquiatria na Estefânia

02 mar, 2023 - 16:34 • Anabela Góis com redação

Ainda assim, Manuel Pizarro diz estar confiante de que o novo modelo vai funcionar. As urgências do Hospital D. Estefânia estão, a partir desta semana, sem especialistas em psiquiatria da infância e adolescência entre as 20h e as 8h.

A+ / A-

O ministro da Saúde admitiu esta quinta-feira vir a rever o novo modelo de urgências que ditou o encerramento do serviço de pedopsiquiatria do Hospital D. Estefânia durante a noite desde ontem.

Logo na estreia, um adolescente muito agitado e com grave perturbação mental teve de passar a última madrugada na rua, nos jardins do hospital pediátrico de Lisboa, porque os médicos pediatras não conseguiram controlá-lo, até à chegada dos especialistas em psiquiatria da infância e adolescência, já esta quinta-feira de manhã.

Confrontado com a situação, Manuel Pizarro desvaloriza o caso e diz que acredita na capacidade de resposta do Hospital D. Estefânia.

"Não tenho nenhuma dúvida de que um hospital tão diferenciado como o Hospital de D. Estefânia, com recursos médicos tão qualificados e com profissionais tão qualificados, organizará esse atendimento de forma segura para as crianças e para os jovens que a ele venham a recorrer nesse período noturno e que depois intervirá, quando for necessário, o pedopsiquiatra no período diurno", declarou o ministro aos jornalistas no Algarve.

Pizarro falava aos jornalistas no final do Conselho de Ministros que decorreu hoje em Faro, no âmbiro da iniciativa Governo + Próximo. O ministro disse ainda que o novo modelo que implica o fecho das urgências de pedopsiquiatria da Estefânia à noite visa aumentar o acesso dos doentes aos cuidados de saúde, não diminuí-lo.

"Estas medidas têm uma outra característica, é que todas são sujeitas a avaliação", acrescentou Manuel Pizarro. "Daqui a umas semanas ou uns meses estaremos em condições de avaliar se o que aconteceu foi o que nós esperávams ou se, pelo contrário, há alguma coisa que tenha de ser corrigida."

Ontem, o diretor do serviço de pediatria do Hospital D. Estefânia disse à Renascença que o novo modelo não foi bem pensado e não serve os utentes.

Segundo Gonçalo Cordeiro Ferreira, na impossibilidade de haver pedopsiquiatras presentes no turno da noite, deveria pelo menos haver um especialista de prevenção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+