Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Saúde confirma fecho temporário da urgência pediátrica de Loures

28 fev, 2023 - 12:14 • Redação com Lusa

A partir desta quarta-feira, este serviço funciona apenas entre as 9h00 e as 21h00, de segunda a sexta-feira, e ao fim de semana está encerrado.

A+ / A-

Depois de ontem ter desmentido o fecho das urgências pediátricas do Hospital de Loures, o ministro da Saúde assumiu esta terça-feira que o serviço vai mesmo ter de encerrar este fim de semana por falta de profissionais.

Assim, a partir desta quarta-feira, este serviço funciona apenas entre as 9h00 e as 21h00, de segunda a sexta-feira, e ao fim de semana está encerrado.

Manuel Pizarro garantiu ainda que o plano de funcionamento para as urgências de pediatria da Área Metropolitana de Lisboa vai ser apresentado na próxima semana.

“É verdade que, no caso do Hospital de Loures, o encerramento de uma parte dos serviços vai ocorrer mais cedo, apenas porque não há disponibilidade de profissionais”, admitiu Manuel Pizarro em declarações aos jornalistas no final de uma visita ao serviço de urgência do Hospital Amadora-Sintra, onde foi acompanhado pela bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco.

Esta situação, adiantou o ministro, foi “uma das razões” que levou à reorganização das urgências pediátricas e que é antecipada no caso da urgência pediatria do Hospital de Loures, “que deixará de facto de funcionar à noite” a partir de quarta-feira, como anunciou o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e depois a Federação Nacional dos Médicos.

Assim, “na próxima semana vai ser anunciado um plano para o funcionamento regular das urgências de Pediatria de toda a Área Metropolitana de Lisboa (…). Isso não significa que não haja, entretanto, outros constrangimentos”, sublinhou o governante.

Questionado sobre qual a solução para a população que recorre à urgência pediátrica do Hospital de Loures, Manuel Pizarro explicou que é recorrerem às urgências pediátricas que estão abertas, como as do Hospital Santa Maria, Hospital Dona Estefânia ou Hospital de São Francisco Xavier.

“As outras urgências pediátricas continuam abertas e a rede do SNS continua a assegurar uma resposta às necessidades das pessoas, o que não quer dizer que me seja indiferente o encerramento da urgência pediátrica em Loures. Eu preferia que isso não acontecesse”, reconheceu.

Mas, vincou, “não havendo recursos humanos acho que é muito importante que esse anúncio seja dado com clareza e com antecipação para que as pessoas tenham ao menos previsibilidade em relação ao que vai acontecer”.

Segundo o ministro, a Direção Executiva do SNS está a trabalhar na organização de um modelo de atendimento metropolitano que permite assegurar previsibilidade às pessoas e corresponda à disponibilidade de profissionais que existem neste momento.

O ministro salientou que existem em toda a Área Metropolitana de Lisboa 12 urgências de pediatria em funcionamento, considerando que podem organizar-se “melhor os serviços, garantindo o número de urgências que corresponde às necessidades das pessoas com a proximidade geográfica possível, para que não se trate apenas da necessidade, mas também da comodidade das pessoas, que é naturalmente muito relevante para qualquer pessoa”.

O governante lembrou que este modelo de organização de urgências funciona noutras regiões do país, nalguns casos há duas décadas, “sem que causem uma perturbação”.

“Nós conseguimos no funcionamento das maternidades, havendo maternidades que estão abertas e outras que não estão abertas - e eu repito que preferia que estivessem todas abertas todos os dias da semana – garantir previsibilidade, qualidade e segurança e esse deixou de ser um tema porque as pessoas sabem exatamente onde é que se devem dirigir em cada momento e é isso que temos que fazer”, declarou.

[atualizado às 17h08]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+