Tempo
|
A+ / A-

Tráfico de droga. Autarcas algarvios pedem mais policiamento

27 fev, 2023 - 14:40 • Redação

Uma reação após as declarações do Chefe do Estado-Maior da Armada, segundo o qual o tráfico de droga por via marítima movimenta milhões de euros e que, em média, passam mais de quatro mil toneladas de estupefacientes/ ano do sul da Península Ibérica para o norte da Europa.

A+ / A-

Face ao aumento de apreensões e tráfico de droga no sul do país, os presidentes de câmara do Algarve reconhecem haver “falta de policiamento” quer nas praias, quer no espaço da Ria Formosa.

O presidente da Comunidade intermunicipal do Algarve considera que as declarações do Almirante Gouveia e Melo são um alerta: Há “necessidade de maior investimento no controlo das águas territoriais.”

Numa entrevista à Renascença, o Chefe do Estado-Maior da Armada realçou que o tráfico de droga a sul de Portugal movimenta milhares de milhões de euros e que, em média, quatro mil toneladas de estupefacientes são transportados do sul da Península Ibérica para o norte da Europa anualmente. Gouveia e Melo alertou para o aumento de redes criminosas de tráfico de droga a sul do país, fruto de uma mudança legal espanhola que empurra traficantes para águas e costa portuguesas.

António Pina, que é também presidente da Câmara de Olhão, sublinha que as apreensões e o aumento do tráfico “servem para dar resposta à procura”, defendendo que é nisso que devem estar centradas as atenções das autoridades.

Afasta ainda a ideia de criminalizar o consumo, defendendo que “as pessoas que consomem têm de ser entendidas como doentes”. Na sua opinião, é também necessário “refletir sobre a forma como esses produtos chegam” até aos consumidores e defende uma intervenção estruturada para travar a procura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+