A+ / A-

CIBERCRIME

PJ ajuda a desmantelar rede internacional que branqueou mais de 38 milhões

17 fev, 2023 - 09:45 • Pedro Valente Lima

Fundos tinham origem numa estrutura de cibercrime organizado, que em Portugal detinha quatro empresas fictícias e 17 contas bancárias. PJ diz terem passado seis milhões de euros pelo território nacional.

A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) participou no desmantelamento de uma rede internacional de branqueamento de capitais, provenientes do cibercrime organizado.

A operação policial "SEFRICIME 2.2", realizada sob a coordenação da Europol, decorreu entre 2022 e o início deste ano e encontrava-se a investigar a invasão de sistemas informáticos pessoais, nomeadamente a pessoas e empresas em França.

Em comunicado, a PJ esclarece que as vítimas eram induzidas em erro a transferir "avultadas quantias monetárias" para contas bancárias em Portugal, abertas "em nome de empresas fictícias, algumas constituídas com recurso a documentação falsa".

A investigação portuguesa , levada a cabo pela Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T), apurou que o grupo, composto por indivíduos de nacionalidade estrangeira, detinha quatro empresas e 17 contas em diferentes bancos em Portugal, recorrendo ainda a três identidades falsas.

A PJ diz que a estrutura criminosa foi responsável pelo "branqueamento de mais de 38 milhões de euros, dos quais cerca de seis milhões passaram por Portugal".

Sob proposta da polícia portuguesa, foram emitidos mandados de busca e de detenção em França. Já em Portugal, até à data, foram apreendidos cerca de três milhões de euros, assim como equipamentos informáticos e de telecomunicações.

No âmbito desta operação internacional, vários elementos da PJ deslocaram-se a França. Além das polícias de ambos os países, a ação também contou com a colaboração de Espanha, Israel, Croácia e Hungria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+