Tempo
|
A+ / A-

​Ministro admite “janela escancarada” para continuar a negociar com professores

17 fev, 2023 - 19:53 • Cristina Nascimento

João Costa garante que está alinhado com o primeiro-ministro no que toca à contagem do tempo de carreira dos docentes. Sindicatos não abrem mão da questão do tempo de serviço.

A+ / A-

O ministro da Educação garante que “há uma janela escancarada para continuarmos a trabalhar questões gerais com a valorização das carreiras” dos professores.

No final de uma reunião com os sindicatos, João Costa respondeu assim aos jornalistas quando questionado, concretamente, sobre as reivindicações dos sindicatos sobre a recuperação do tempo de carreira que ficou congelado.

Sem dizer diretamente sim ou não, referiu que, “neste momento, existe total disponibilidade para, assim que fecharmos este assunto do recrutamento, continuarmos sentados à mesa com as organizações sindicais”.

Perante a insistência dos jornalistas, João Costa sublinhou que o tempo de serviço não diz apenas respeito à carreira docente, mas a toda a administração pública e, por isso, quando se fala no tempo de serviço dos professores, a discussão deve ser alargada às restantes carreiras.

Quanto à situação concreta dos professores, o ministro da Educação recordou que o impacto do congelamento do tempo de serviço não foi o mesmo para todos os profissionais.

"Temos, dentro do conjunto dos professores, um segmento que, em termos da sua remuneração e expectativa de progressão, ficou muito mais prejudicado do que outros. É para isso que estamos a olhar. Não tratar de forma igual o que é diferente, mas olhar para especificidades que existem", afirmou João Costa.

João Costa falava no fim de uma maratona negocial com os sindicatos que começou pelas 10h30 desta sexta-feira, tendo sido apenas interrompida para almoço.

O governante voltou a enaltecer a aproximação entre as partes em várias matérias e lembrou que estão criadas condições “para vincular ainda este ano mais de 1.500 docentes”.

Sindicatos não abrem mão do tempo de serviço

À saída da reunião, o sindicalista José Feliciano Costa, da Fenprof, traçou algumas linhas vermelhas para alcançar um acordo com o Governo.

“O protocolo implica a calendarização para a negociação da recuperação do tempo de serviço, da questão das quotas e vagas, da aposentação e esse ainda não aconteceu. Enquanto isso não estiver em cima da mesa não há nenhum acordo”, declarou José Feliciano Costa.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro reafirmou que não há condições para devolver o tempo de serviço aos professores, porque a evolução financeira do país não permite essa despesa permanente.

"Não vejo que o país tenha condições para acrescentar 1.300 milhões de despesa permanente para todo o sempre", referiu o primeiro-ministro em entrevista à TVI.
Num comentário a esta entrevista, o Presidente da República considerou que António Costa abriu "uma janelinha" para a resolução dos problemas dos professores.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Dividir para reinar
    18 fev, 2023 5 de out 11:14
    Ministro acena com uma cenoura, a ver se os profs vão atrás. Mas é OU TODOS, OU NENHUM.

Destaques V+