Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Presidente da República atribui Ordem da Liberdade a Zelensky

15 fev, 2023 - 14:09 • Diogo Camilo com Lusa

PAN pretendia assinalar o primeiro ano da guerra com uma proposta de condecoração de Zelensky, o que levou Marcelo a antecipar o anúncio da condecoração.

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai condecorar o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

Em nota na página da Presidência, Marcelo anunciou que tencionava atribuir a condecoração a 24 de fevereiro, na data em que se completa um ano da invasão da Rússia sobre a Ucrânia, tendo antecipado a atribuição do Grande-Colar da Ordem da Liberdade na sequência de uma "iniciativa parlamentar sobre esta matéria".

"O Presidente da República tencionava anunciar no dia 24 deste mês, data em que se completa um ano sobre a agressão da Rússia contra a Ucrânia, a condecoração do Presidente Zelensky. Tendo em conta a iniciativa parlamentar sobre esta matéria, anuncia desde já que decidiu atribuir ao Presidente da Ucrânia o Grande-Colar da Ordem da Liberdade", indica o comunicado.

De acordo com o Público desta quarta-feira, o PAN pretendia assinalar o primeiro ano da guerra com uma proposta de condecoração de Zelensky, o que levou o chefe de Estado português a antecipar o anúncio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Habituem-se, diz ele
    15 fev, 2023 Abaixo o PS 17:37
    Parece que a NATO não vai nas cantigas da Helena ideologia de género Carreiras, a auto intitulada ministra da Defesa(?) e exige os 2% do PIB para a Defesa, já e não em 2030 como o primeiro-monhé-ministro quer. Sugiro que o País seja multado no dobro do valor que faltar para completar os 2% e seja exigido de imediato as forças militares na totalidade que correspondem a esses 2%. É para acabar de vez com aquele sorriso trocista do "habituem-se"...

Destaques V+