Tempo
|
A+ / A-

Professores

FENPROF promete novos protestos

15 fev, 2023 - 08:20

Governo cedeu e propõe que professores do quadro possam mudar de escola todos os anos. É curto, para Mário Nogueira: "O Ministério não apresenta uma linha sequer em relação ao tempo de serviço e de carreira. E sem isso não há acordo nenhum."

A+ / A-

Não chega, o protesto vai continuar.

O secretário geral da Fenprof, Mário Nogueira, diz ser insuficiente a nova proposta do governo que deverá ser esta quarta-feira apresentada aos professores. A proposta permite que docentes do quadro também possam mudar de escola todos os anos.

Em declarações à Renascença, Mário Nogueira diz não ser possível um acordo enquanto não estiverem em discussão questões como o tempo de serviço e progressões de carreira.

"Se o concurso anual é uma alteração á situação que atualmente existe, na verdade as ultrapassagens nas vinculações e a possibilidade de os diretores poderem distribuir serviço dentro de vários concelhos a professores que já são efetivos de uma escola merece uma profunda discordância da parte dos professores", indica Mário Nogueira.

"O Ministério não apresenta uma linha sequer em relação ao tempo de serviço e de carreira. E sem isso não há acordo nenhum."

"O que teremos é a continuação da luta dos professores", remata Nogueira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sindico
    15 fev, 2023 5 de out 12:03
    Os diretores fazem os horários dos docentes e é fácil para eles viciarem os horários, de forma a obrigar professores do quadro a irem tapar buracos noutra escola que pode estar a 50 Km da escola onde lecionam. Não é uma "cedência" mas um agravamento de condições. E o resto nem é falado. Porque havíamos de suspender a greve, se nada do que se pretendia à partida ficou assegurado?

Destaques V+