A+ / A-

Dados do INE

Mais de um terço dos edifícios em Portugal precisa de reparações

08 fev, 2023 - 15:09 • Lusa

Em quase 5% do total de edificado são necessárias reparações "profundas", indica estudo do Instituto Nacional de Estatística.

A+ / A-

Mais de um terço (35,8%) dos edifícios em Portugal precisa de reparações, com 9,4% a necessitar de reparações médias e 4,6% de reparações profundas, segundo um estudo do INE apresentado esta quarta-feira.

“Dos 35,8% de edifícios que necessitavam de reparações (1.278.826 edifícios), 21,8% necessitavam de reparações ligeiras (780.126 edifícios), 9,4% de reparações médias (335.599 edifícios) e 4,6% de reparações profundas (163.101 edifícios)”, refere o estudo “O que nos dizem os Censos sobre a habitação”, hoje apresentado na sede do Instituto Nacional de Estatística (INE), em Lisboa.

O INE assinalou que não foram verificadas “grandes discrepâncias regionais”.

O Alentejo Central, o Baixo Alentejo e o Algarve eram as regiões que apresentavam maiores proporções de edifícios sem necessidades de reparação, com 75,1%, 71,6% e 70,7%, respetivamente.

Por sua vez, a Região de Coimbra, a Região Autónoma da Madeira e a Área Metropolitana do Porto apresentavam o “parque habitacional com estado de conservação menos favorável”, por, respetivamente, 43,5%, 43,0% e 41,3% dos seus edifícios a precisarem de intervenções de algum tipo.

O INE refere que não foram registadas “diferenças significativas quanto ao estado de conservação dos edifícios, atendendo ao número de pisos”.

“Ainda assim, os edifícios que não tinham necessidades de reparação representavam 72,2% dos edifícios com três pisos e 68,3% dos edifícios com sete ou mais pisos. Os edifícios com necessidades de reparação profundas representavam 6,8% dos edifícios com um piso, diminuindo para 0,6% nos edifícios com sete ou mais pisos”, assinala o instituto estatístico na sua análise aos Censos 2021.

Entre os alojamentos familiares clássicos, 3,3% estão em edifícios com necessidades de reparação profundas (197.066), sendo o valor mais elevado para a residência secundária (2,8%, 30.682 alojamentos) do que para a residência habitual (1,4%, 57.465 alojamentos).

Entre os alojamentos familiares clássicos com necessidades de reparações profundas, 55,3% encontravam-se vagos e 29,2% estavam a ser utilizados como residência habitual.

Num debate após a apresentação do estudo, a diretora do Observatório da Habitação, do Arrendamento e da Reabilitação Urbana, Maria da Graça Igreja, registou que é importante que estes problemas sejam enfrentados e que deve haver um entendimento se estas necessidades são “mais intensas, se são menos intensas”.


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+