A+ / A-

Professores

"A greve nas escolas ganhou nova força", celebra líder do STOP

14 jan, 2023 - 19:00 • Redação

Em discurso no Terreiro do Paço, André Pestana realça que a "unidade é necessária para levar esta luta à vitória".

A+ / A-

O líder do STOP, André Pestana, discursou este sábado, no Terreiro do Paço, perante milhares de professores que se manifestam em Lisboa, celebrando que a "greve nas escolas ganhou nova força".

No discurso, o representante sindical realça que a "unidade é a necessária para levar esta luta à vitória".

"Não é uma greve só de professores, é uma luta de todos os profissionais de educação", reiterou, recolhendo apoio dos manifestantes.

Milhares de professores de todo o país estão concentrados em Lisboa, numa manifestação em defesa da escola pública e contra as propostas de alteração dos concursos. Críticas às políticas do Governo para o setor e pedidos de demissão do ministro da Educação, João Costa, marcam o protesto.

A Polícia de Segurança Pública aponta para quase 30 mil manifestantes, contrariando os números da organização que falavam numa adesão de 100 mil pessoas ao protesto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Dito isto
    14 jan, 2023 Fora o ministro 21:55
    Não alinhemos nas mentirolas do ministro e do Costa: estiveram cerca de 45 000 pessoas na Manifestação, não 100 000, o que mesmo assim é ótimo atendendo a que é uma manifestação do STOP sem apoio de outros sindicatos. No resto sugiro uma união dos departamentos jurídicos dos vários sindicatos, pois, gorada a tentativa de última hora do ministro, através duma teia de inverdades e falácias, de demover os participantes na manifestação, o próximo passo será a imposição de serviços mínimos ilegais, Requisição civil encapotada ou não, e claro tentar declarar a greve ilegal. Estejam prontos para a luta em Tribunal pois sabendo-se que os pareceres geralmente têm a opinião de quem os pediu, os pareceres que o governo pediu às instâncias do sistema, controladas pelo PS, só podem ser desfavoráveis aos professores. Mas em última análise, quem decide são os Tribunais...
  • manuel torres fernan
    14 jan, 2023 barcelos 19:23
    Estes grevistas pedem respeito?Sao eles que nao tem respeito por ninguem quem perde sao os alunos=lixo,teem sorte de eu nao mandar,porque de lugar de aumentos dava-lhes ainda menos,aqui a trabalhar no campo todo dia ganha-se 40 euros ao dia e nao hà ferias

Destaques V+