Tempo
|
A+ / A-

Lisboa

Autarquia alega que "atividade inerente" ao Hot Clube pode pôr em causa estrutura

12 jan, 2023 - 13:27 • Lusa

Autarquia e gerência do Hot Clube reúnem sexta-feira para avaliar situação.

A+ / A-

A Câmara de Lisboa detetou “danos estruturais” no edifício do Hot Clube de Portugal (HCP) e indicou que a própria “atividade inerente” à instituição pode pôr em causa a estabilidade do imóvel, disse esta quinta-feira a autarquia à Lusa.

Em resposta à Lusa por escrito, a autarquia disse que “o próprio exercício da atividade inerente ao clube de jazz, e a sua programação, pode colocar em causa a estabilidade das estruturas”.

“O edifício onde estava instalado o Hot Club de Portugal apresenta danos estruturais, pelo que a Câmara de Lisboa, após inspeção, avaliação de riscos, e garante de condições de segurança, comunicou o seu encerramento, acatado de imediato pela instituição”, pode ler-se na mesma resposta da edilidade da capital.

Está agendada uma reunião entre a câmara e o Hot Clube para sexta-feira, “para avaliação da situação”, lembrou ainda a autarquia.

Em declarações à agência Lusa, na quarta-feira, a presidente do HCP, Inês Homem Cunha, disse que sabia "ainda muito pouco” sobre a questão, e adiantou que estava prevista uma reunião com a câmara na sexta-feira.

“A Câmara de Lisboa fez uma inspeção ao Hot Clube, aqui há umas semanas, depois regressou há uma semana, e agora comunicou-nos que o edifício tem danos estruturais, que está em perigo e, portanto, não pode funcionar”, contou Inês Homem Cunha à Lusa.

O HCP localiza-se na Praça da Alegria, num edifício que agora está apenas ocupado pela instituição criada em 1950.

Em mais de 70 anos de história, o HCP terá vivido o momento mais difícil em 2009, quando a cave onde funcionava há décadas, num edifício também na Praça de Alegria, ficou destruída num incêndio, tendo-se salvado apenas a fachada desse prédio.

Dois anos depois, em 2011, o HCP retomou a atividade duas portas ao lado da cave antiga, num espaço mais moderno, mas, ainda assim, pequeno. Foi a este local que a Câmara de Lisboa deu ordem de encerramento.

A programação de hoje, sexta-feira e sábado do Hot Clube de Portugal contava com o trio do pianista galego Abe Rábade, com o contrabaixista Pablo Martín Caminero e o baterista Bruno Pedroso.

O Hot Clube de Portugal, o mais antigo clube de jazz europeu em atividade, foi fundado oficialmente a 19 de março de 1948, quando Luiz Villas-Boas, melómano e seu fundador, preencheu a ficha de sócio número um - ficha que se mantém no património da instituição.

A par do clube e da Escola de Jazz Luiz Villas-Boas, parte do trabalho do HCP passa também pelo núcleo museológico, assente sobretudo no espólio deixado pelo fundador, que morreu em 1999.

Em março de 2020, o HCP encerrou por causa da pandemia de covid-19, tendo mantido, porém, durante os períodos de confinamento, atividades como concertos 'online', celebrações do Dia Internacional de Jazz e do seu próprio aniversário.

O Hot Clube detém uma etiqueta discográfica própria, desde 2014.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+