Tempo
|
A+ / A-

Ministério da Saúde apresenta plano para as urgências na próxima semana

16 dez, 2022 - 14:05 • Redação

Ministro da Saúde garante ainda que as dívidas dos hospitais aos fornecedores vão ser regularizadas no próximo ano.

A+ / A-

O Governo vai apresentar já na próxima semana uma plano de resposta aos constrangimentos nas urgências.

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, admite que nem tudo está a funcionar como deveria nas urgências, mas o Governo vai apresentar já na próxima semana um plano para evitar maiores constrangimentos.

Manuel Pizarro diz que o plano será muito importante para que as pessoas fiquem a saber com o que podem contar e garante que nenhum português deixará de ter uma resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em declarações à margem de uma visita ao hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, o ministro da Saúde garantiu ainda que as dívidas dos hospitais aos fornecedores vão ser regularizadas.

De acordo com os últimos dados do Portal da Transparência, a dívida do SNS a fornecedores atingiu em outubro um máximo desde a troika. São 2 mil e 350 milhões de euros.

Manuel Pizarro diz que a situação não se vai repetir no próximo ano e não fica surpreendido com estes valores, num contexto de resposta à pandemia de Covid-19.

“Para mim, não é inesperado que a dívida suba num contexto de resposta à pandemia. Na primeira metade deste ano, houve vagas muito significativas da pandemia e uma resposta aumentada que foi preciso dar. A justa comparação das dívidas é feita no final do ano, porque em todos os finais do ano tem havido programas de regularização da dívida. O aumento do orçamento em 2023 vai assegurar, com a capacidade de gestão aumentada que temos agora com a direção-executiva, que esta situação não se vai repetir ao longo de 2023”, salientou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+