Tempo
|
A+ / A-

Mau tempo em Lisboa

Oito desalojados em Loures, escolas ficam abertas. "Situação é pior do que na quinta-feira"

13 dez, 2022 - 09:22 • Susana Madureira Martins

Centro de alojamento temporário recebeu as oito pessoas afetadas pelas inundações desta madrugada. O autarca de Loures recusa encerrar escolas na sequência do temporal, porque iria dificultar ainda mais a vida a quem tem mesmo de trabalhar fora de casa. Pontes de Frielas e da Flamenga estão interditas

A+ / A-

O presidente da Câmara de Loures disse esta terça-feira à Renascença que esta madrugada "foi muito pior" do que a ocorreu na passada quinta-feira, com Ricardo Leão a contabilizar "ocorrências mais gravosas na queda de taludes, desabamento de terras e queda de muros de contenção" por causa do mau tempo.

Foi necessário durante a madrugada e ao início desta manhã cortar vias de acesso ao concelho de Loures, como foi o caso da via nacional 115 e 250, ambas muito utilizadas, e houve registo de oito desalojados.

Leão explica que houve "até mais" desalojados, mas "muitos deles encontraram soluções em casa de amigos e família".

Há oito pessoas que, "na impossibilidade de encontrar uma solução, estão alojadas num centro de alojamento temporário que a Câmara criou na quinta-feira" da semana passada, quando o mau tempo fustigou esta e outras zonas de Lisboa.

Pontes de Frielas e Flamenga inundadas

O autarca de Loures esteve toda a noite a acompanhar as equipas de bombeiros e da Proteção Civil da câmara e uma das zonas mais afetadas pelo temporal foi a baixa da cidade, "naquele período de maior intensidade de chuva coincidente com a subida da maré".

As pontes de Frielas e da Flamenga ficaram "completamente inundadas, mas desta vez com o aviso prévio, as pessoas estavam sensibilizadas e aquilo que foram os danos de viaturas e pessoas não teve comparação com o que houve na quinta feira", explica Ricardo Leão.

A maior consequência do temporal são os danos na via píblica, "o que vai obrigar a uma quantificação ainda maior, estamos a falar de milhões de euros de prejuízos naquilo que é a intervenção no espaço publico".

O apelo do autarca de Loures é para "as pessoas que tenham de ficar em casa que fiquem", mas Leão reconhece que "há pessoas que não podem ficar em casa porque têm de levar as crianças à escola e têm de ir para o trabalho".

Para essas pessoas fica o conselho de Leão: "antes de saírem de casa consultem o site da câmara e as redes sociais da autarquia para consultar as vias interditas e facilitar a deslocação dessas pessoas". O autarca apela ainda à "responsabilização das pessoas".

O autarca mostra-se ainda avesso a mandar encerrar as escolas do concelho de Loures. "Até agora não tenho informação de escolas que não tenham condições de manter a atividade letiva normalmente", explica o autarca, que tomou a decisão de não encerrar escolas porque "iria dificultar ainda mais as pessoas que têm obrigatoriamente de ir para o trabalho.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+