A+ / A-

Mau tempo

Monforte com três estradas colapsadas e inundações em casas e vias públicas

13 dez, 2022 - 16:49 • Lusa

Duas famílias residentes no concelho de Portalegre tiveram que ser realojadas temporariamente.

A+ / A-
Estrada Monforte - Veiros ficou neste estado. Foto: Nuno Veiga/Lusa
Estrada Monforte - Veiros ficou neste estado. Foto: Nuno Veiga/Lusa

Três estradas colapsaram e várias casas e zonas públicas ficaram inundadas na sequência da chuva intensa que caiu hoje no concelho de Monforte, no distrito de Portalegre, revelou o presidente da câmara, Gonçalo Lagem.

Em declarações à agência Lusa, o autarca indicou que a água das chuvas abriu "verdadeiras crateras no meio" de três estradas no concelho, as quais ficaram "completamente colapsadas" nesses troços.

Estas estradas "estão cortadas ao trânsito" porque foram "cortadas literalmente" pela força da água, sublinhou.

Segundo o autarca, as vias que colapsaram no concelho são a Estrada Nacional 243 (EN243) e a Estrada Municipal com a mesma designação (EM243) que ligam Monforte ao concelho de Elvas, assim como a EM506 que faz a ligação da sede de concelho à freguesia de Santo Aleixo.

Apontando a necessidade de uma intervenção nestas vias "o quanto antes", o presidente da Câmara de Monforte considerou "impensável" que as três estradas fiquem fechadas à circulação rodoviária "mais do que três semanas".

O encerramento das três estradas "acarreta variadíssimos custos para os seus utilizadores, porque têm que dar voltas enormes e são estradas que têm muita utilização", salientou o responsável.

Gonçalo Lagem adiantou que o mau tempo que assolou a região também provocou "inúmeras inundações" em casas particulares e vias públicas localizadas nas povoações de Vaiamonte, Santo Aleixo, Assumar e Prazeres.

"Temos graves prejuízos, que dizem respeito a essas situações, quer ao nível da agricultura, quer dos bens pessoais domésticos", frisou, realçando que duas famílias residentes no concelho tiveram que ser realojadas temporariamente.

O presidente do município referiu que as casas destas duas famílias "não oferecem condições de habitabilidade", notando que, "se parar de chover", as condições deverão ser restabelecidas na quarta ou quinta-feira.

Sem ter ainda dados sobre o valor dos prejuízos no concelho, o autarca alentejano disse que os serviços municipais estão no terreno a fazer o levantamento dos danos e quantificar as intervenções que são necessárias.

"Estamos a fazer o levantamento das situações e a quantificar todas as intervenções que vamos ter que fazer para, depois, como não pode deixar de ser, ter uma ajuda do Governo", assinalou.

De acordo com Gonçalo Lagem, o concelho de Monforte foi "integralmente afetado" pelo mau tempo e "o epicentro desta tempestade".

"Foi um cataclismo no concelho e em alguns concelhos limítrofes, como Campo Maior, Sousel e Fronteira, mas Monforte, por passar aqui uma linha de água importante, que é a Ribeira Grande, teve vários prejuízos", acrescentou.

Outra das consequências do mau tempo neste concelho alentejano foi o encerramento dos estabelecimentos de ensino, por motivos de segurança, segundo um comunicado do Agrupamento de Escolas de Monforte publicado nas redes sociais.

A chuva intensa e persistente que caiu de madrugada causou hoje centenas de ocorrências, entre alagamentos, inundações, quedas de árvores e cortes de estradas nos distritos de Lisboa, Setúbal e Portalegre, onde há registo de vários desalojados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+