Tempo
|
A+ / A-

Especialistas recomendam aposta na prevenção para sistema de saúde mais sustentável

07 dez, 2022 - 02:34 • Lusa

Os resultados de um estudo apontam para a necessidade de investir nos cuidados de saúde domiciliários e na saúde digital associada a esses cuidados, para além de um fortalecimento da literacia das populações.

A+ / A-

Os autores do diagnóstico à sustentabilidade e resiliência do sistema de saúde nacional, cuja recomendações serão apresentadas, nesta quarta-feira, defendem uma maior aposta na prevenção da doença, investindo nos rastreios de base populacional e no diagnóstico precoce.

Além da aposta na prevenção, para “manter a população saudável o máximo de tempo possível da sua vida”, os peritos recomendam igualmente um investimento nos cuidados de saúde domiciliários e na saúde digital associada a esses cuidados.

“Não só para libertar recursos dos hospitais, mas também porque o tratamento e a recuperação no ‘habitat’ natural é mais benéfico para os doentes”, acrescentam, lembrando que existem soluções tecnológicas de produtos e de serviços de monitorização remota que deverão ser potencializadas e utilizadas nestes casos.

O trabalho, que será hoje apresentado no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, reúne um conjunto de 43 recomendações com níveis de concordância acima de 75%, consensualizadas por um painel de 37 peritos de várias áreas da saúde.

Os especialistas apontam ainda para a necessidade de desenvolver e fortalecer a literacia das populações, promovendo estratégias de prevenção da doença.

“É necessária uma resposta robusta e transversal, só possível através de uma gestão integrada de recursos e de uma articulação entre os diversos setores (público, privado, social e cooperativo) que trabalham na área da Saúde”, consideram.

O foco deverá ser “uma sociedade mais saudável e resiliente”, defendem os peritos, lembrando que, atualmente, menos de 1% do orçamento da saúde é investido a impedir a doença. Isto “mostra que o sistema não está apto a dar resposta às tendências epidemiológicas atuais”, insistem.

O grupo de peritos, que envolveu especialistas como o antigo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes, Maria do Céu Machado, que foi Alta Comissária para a Saúde e dirigiu o Infarmed entre 2017 e 2019, e o antigo diretor-geral da Saúde Constantino Sakellarides, entre outros, defende igualmente a promoção de campanhas intersetoriais - envolvendo Saúde e Educação - para promover a literacia do cidadão sobre os fatores de risco modificáveis.

Aprofundar a dimensão local da prestação de cuidados de saúde, através da descentralização, e concretizar o Registo de Saúde Eletrónico (RSE) em todo o sistema de saúde são outras das recomendações.

“A proliferação de diferentes sistemas de gestão de informação sobre a saúde dos utentes sem que seja assegurada a sua interoperacionalidade gera muita ineficiência, desconforto para o utente, muito desperdício, com duplicação de exames e consultas e, por vezes, desconhecimento sobre informação essencial para a melhor prestação de cuidados em situações de urgência ou emergência”, sublinham.

Os peritos sugerem ainda que se torne os Cuidados de Saúde Primários “mais resolutivos”, dando-lhes maior capacidade de resposta e diversidade de serviços.

Outra das recomendações para um sistema de saúde mais sustentável e resiliente para pela aposta na promoção de saúde, com programas de exercício físico e de alimentação saudável, por exemplo, para permitir controlar fatores de risco e retardar ou evitar o aparecimento de doenças.

No domínio da Saúde Populacional, recomendam ainda que se mapeie as causas associadas à “fraca qualidade de vida da população com mais de 65 anos”, identificando ações específicas para melhorar a qualidade de vida desta população, e que se regule atividades e práticas comerciais que afetam a saúde, como a publicidade e o fácil acesso a produtos nocivos como o tabaco ou o álcool.

Na área da sustentabilidade ambiental, os peritos recomendam uma redução da obsolescência dos equipamentos médicos hospitalares. Falam igualmente na redução de desperdício e na incorporação de mecanismos de contratualização, sejam estes incentivos ou obrigações, associados ao desempenho da sustentabilidade ambiental.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+