Tempo
|
A+ / A-

Gabinete de apoio às vítimas de assédio da Faculdade de Direito sem pedidos de ajuda

02 dez, 2022 - 23:02 • Lusa

O objetivo do gabinete é ajudar as vítimas a lidar com situações de assédio e discriminação, de forma confidencial, através de aconselhamento jurídico e psicológico, a cargo do advogado e antigo bastonário Rogério Alves e da psicóloga Susana Lourenço, nomeados pelas respetivas ordens profissionais.

A+ / A-

O gabinete de apoio às vítimas de assédio, criado pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa na sequência de dezenas de denúncias, não recebeu qualquer pedido de ajuda desde que começou a funcionar, em maio.

O gabinete em causa foi anunciado no início de abril, dias depois da divulgação de um relatório do Conselho Pedagógico, que recebeu 50 queixas de assédio e discriminação, relativas a 10% dos professores da faculdade.

Seis meses após ter entrado em funcionamento, no final de maio, não foram recebidos quaisquer pedidos de aconselhamento, jurídico ou psicológico, indicou a instituição, em resposta à agência Lusa.

“Deve sublinhar-se que o facto de o gabinete de apoio à vítima não ter sido até ao momento contactado não fará com que desistamos do projeto que consideramos relevante para quem se encontre num estado de fragilidade perante situações de assédio, pelo que a estrutura irá manter-se em atividade”, acrescenta a direção.

O objetivo do gabinete é ajudar as vítimas a lidar com situações de assédio e discriminação, de forma confidencial, através de aconselhamento jurídico e psicológico, a cargo do advogado e antigo bastonário Rogério Alves e da psicóloga Susana Lourenço, nomeados pelas respetivas ordens profissionais.

Além deste gabinete, a Faculdade de Direito criou também um canal para que estudantes, docentes ou não docentes possam apresentar denúncias de quaisquer situações de assédio ou discriminação, através de um contacto de correio eletrónico (queixas@fd.ulisboa.pt).

Até ao momento, foram recebidas dez queixas através desse canal, o mesmo número registado final de maio.

Dessas denúncias, três deram origem a processos de inquérito, com instrutores externos à Faculdade de Direito que concluíram pelo seu arquivamento, por prescrição.

Entre as restantes, duas eram de natureza pedagógica e cinco relativas a “factos absolutamente prescritos, relacionados com o funcionamento dos serviços ou juridicamente não relevantes”, refere a faculdade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+