Tempo
|
A+ / A-

Tribunal anula coimas da pandemia a comerciantes do Bairro Alto

16 nov, 2022 - 14:38 • Lusa

Em causa estava o não cumprimento, por parte de vários estabelecimentos comerciais, das restrições impostas pela pandemia em 2021.

A+ / A-

Vários comerciantes do Bairro Alto, em Lisboa, multados pela ASAE por incumprimento de regras decretadas durante a pandemia de covid-19 não vão ter de pagar as coimas por decisão do tribunal, revelou esta segunda-feira a Associação de Comerciantes.

“Houve uma providência cautelar conjunta que se interpôs contra essas ações [coimas aplicadas] da ASAE e o tribunal decretou a favor, deu razão aos comerciantes e anulou todas as multas”, disse à Lusa Hilário Castro, presidente da Associação de Comerciantes do Bairro Alto, salientando que os comerciantes receberam a informação no início da semana.

De acordo com o responsável, eram coimas “impostas no cumprimento de horários, de lotação e de todas as regras em vigor” durante a pandemia aplicadas a “mais de 10 estabelecimentos”, num “valor ainda elevado”.

“Foi uma situação deveras grave para os comerciantes, que ainda veio agravar mais a situação que já era delicada, e conseguiu-se agora esta justiça, o que é bom para todos”, considerou.

Numa ação de fiscalização do cumprimento das medidas contra a pandemia em estabelecimentos do Bairro Alto, acompanhada pela Lusa em 26 de junho de 2021, a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) encerrou dois estabelecimentos e abriu 11 autos de contraordenação em 22 alvos fiscalizados, salientando o “incumprimento elevado” na zona e “algumas questões problemáticas” relativamente à covid-19.

Na altura tinham apertado as regras para a restauração, que estava novamente obrigada a fechar portas às 22h30, devido à evolução da pandemia na região de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+