Tempo
|
A+ / A-

Continuidade de protestos pelo Clima dependente de reunião com Costa Silva, dizem ambientalistas

14 nov, 2022 - 20:25 • Liliana Monteiro com Redação

Os estudantes pedem o fim do uso de combustíveis fósseis, o mais rapidamente possível, até "porque temos um país extremamente propício a enerigas renováveis", recorda Leonor, à frente do Tribunal de Lisboa, onde quatro dos seus colegas foram detidos.

A+ / A-
Quatro dos jovens ativistas que ocuparam a Faculdade de Letras vão a julgamento
Quatro dos jovens ativistas que ocuparam a Faculdade de Letras vão a julgamento

O grupo de ambientalistas que tem realizado protestos no Liceu Camões, em Lisboa, admitem que a continuidade dos protestos em defesa do Clima estão dependentes de como correr a reunião com o ministro da Economia, António Costa Silva.

O governante vai reunir com representantes do movimento esta terça-feira, depois de ter sido uma das figuras em foco durante os protestos.

É devido a este encontro que o grupo de jovens aceitou suspender o protesto a partir da meia noite. A escola vai voltar a funcionar normalmente já esta terça-feira.

No entanto, à Renascença, Leonor, que integra o protesto, não deixa de fora a possibilidade da retoma da ocupação.

"Tem muito a ver com o resultado dessa reunião. Somos um movimento estudantil que ocupa até vencer. Até as nossas reivindicações serem ouvidas e atendidas, nós não nos vamos retirar, vamos continuar na luta", garante.

Os estudantes pedem o fim do uso de combustíveis fósseis, o mais rapidamente possível, até "porque temos um país extremamente propício a enerigas renováveis", recorda Leonor, à frente do Tribunal de Lisboa, onde quatro dos seus colegas foram detidos.

"Temos uma costa ampla, temos clima solarado para instalação de painéis solares e um investimento não está a ser dirigido a esse ponto. Está a ser dirigido às grandes empresas que estão a triplicar os lucros com a crise e a guerra", aponta.

Já Catarina, outra ativista, fala da necessidade de uma transição justa, em que qualquer alternativa ao fóssil é sempre melhor: "Há várias alternativas para uma transição justa, de maneira a que ninguém perca os seus empregos. O ponto mais importante é que os combustíveis fósseis não são alternativa de todo".

Para João, o prazo de terminar o uso de fósseis até 2030 é suficiente e dá "uma margem para readaptar como o transporte e a energia é gerida", mas alerta que há problemas como "a própria energia é gerida".

"Deveria ser dirigida de maneira comunitária e municipal, com vários centros. Ao ter energia mais descentralizada, poderemos ter gastos desnecessários e dar às pessoas mais soberania energética", defende.

São esta as razões dos estudantes que, há uma semana, ocupam, primeiro a escola António Arroio, depois a Faculdade de Letras da Universidade do Porto e agora o Liceu Camões.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Faz o que eu digo
    14 nov, 2022 Não faças o que eu faço 20:43
    Estes pseudo-ativistas já deixaram de ir ao McDonalds, Burger King, já deixaram de trocar de telemovel mal aparece um modelo novo, já deixaram as motos e os carrinhos de lado para andarem a pé, ou seja, já começaram a praticar o que pregam, ou é mais um caso de faz o que eu digo, não faças o que EU faço?

Destaques V+