A+ / A-

covid-19

​Associação de Médicos de Saúde Pública concorda: não há necessidade de avançar com medidas restritivas

10 nov, 2022 - 17:24 • Núria Melo

Em declarações à Renascença, Gustavo Tato Borges diz concordar com a posição assumida pelo ministro da Saúde, tendo em conta os números de internamentos e óbitos por covid-19.

A+ / A-

O presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública, Gustavo Tato Borges, diz à Renascença que "tendo em conta a realidade epidemiológica, os números de internamentos e óbitos por covid-19, não há uma necessidade, nesta fase, de adotar medidas mais restritivas com a exceção do regresso do uso obrigatório de máscara em transportes públicos, nas farmácias e em outros locais com grandes aglomerados populacionais".

Gustavo Tato Borges concorda, por isso, com a posição do Governo, assumida esta quinta-feira pelo ministro da Saúde. Manuel Pizarro antecipou com tranquilidade a reunião desta sexta feira com o Infarmed dizendo que "não há nenhuma intenção nem necessidade de regressar, a curto prazo, a quaisquer medidas que envolvam estado de alerta ou imposições em matéria de saúde pública"

Sobre a sobrecarga nas urgências hospitalares, o presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública diz que "o Governo não ficou surpreendido com o aumento da afluência às urgências tendo em conta a facilidade de circulação dos vírus e as dificuldades de completar escalas hospitalares".

Gustavo Tato Borges reforça que "estamos a viver um aumento ligeiramente superior aquilo que era o ano antes da pandemia" e que o pico de infeções respiratórias era esperado apenas no mês de dezembro, mas lembra que "não é novidade que iriamos ter um da sobrecarga hospitalar, nas urgências e no serviço de atendimento complementar nos cuidados de saúde primários".

O presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública reforça que "sabendo que há restrições de recursos humanos, nomeadamente para o serviço de urgências e para fazer horas extraordinárias, era esperada a sobrecarga".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+