A+ / A-

Universidade de Évora lidera projeto para conservar zimbrais dunares no país

08 nov, 2022 - 13:53 • Lusa

Projeto representa investimento de dois milhões de euros.

A+ / A-

Um projeto liderado pela Universidade de Évora (UE), com financiamento superior a dois milhões de euros pelo Programa LIFE, pretende melhorar o estado de conservação dos zimbrais existentes nas dunas costeiras em Portugal, foi revelado esta terça-feira.

O Projeto Zimbral for LIFE, liderado pelo MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da UE, foi contemplado com um financiamento “superior a dois milhões de euros para preservar os zimbrais dunares”, através do Programa LIFE – Nature and Biodiversity.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Universidade de Évora indicou que a iniciativa reúne especialistas de cinco instituições portuguesas e espanholas, sendo coordenado na academia alentejana pela investigadora do MED Catarina Meireles, em colaboração com a investigadora Cristina Baião e o professor Carlos Pinto Gomes.

Um dos objetivos do projeto, que arrancou no passado mês de outubro e vai ser desenvolvido nos próximos seis anos, é o de “colmatar as lacunas no conhecimento sobre a biologia e ecologia” das plantas de zimbro, nome popularmente dado à espécie Juniperus spp.

Testar e avaliar práticas de gestão, diminuir o impacto das principais ameaças, melhorar a estrutura e função, aumentar a área de ocorrência destas plantas e, igualmente, elaborar um Plano Nacional de Conservação para este habitat são os outros objetivos do projeto.

O zimbro existe “em várias zonas de matagais litorais e dunares na costa atlântica portuguesa”, nomeadamente a sul da Figueira da Foz, em Peniche, Sintra, Troia e Costa Vicentina, “formando comunidades arbustivas que são cada vez mais raras e ameaçadas”, realçou a UE.

“As alterações do uso do solo, nomeadamente a pressão urbanística e turística, ou a propagação de espécies exóticas invasoras, como as acácias e o chorão-das-praias, têm ameaçado os zimbrais portugueses”, que já são considerados “um habitat prioritário para a conservação dentro da Rede Natura 2000”, alertou a instituição.

O interesse na preservação desta vegetação, “além do seu elevado valor intrínseco”, está ligado ao facto de ser “uma espécie endémica com um elevado valor de conservação”.

Constitui ainda o habitat de alimentação, refúgio e reprodução de insetos, aves, répteis e anfíbios, bem como fauna vertebrada terrestre associada às dunas, explicou a universidade.

Do financiamento total para o Projeto Zimbral for LIFE de quase 2,084 milhões de euros, cerca de 1,44 milhões destinam-se à UE, que se vai centrar em ações concretas de conservação e restauro de habitats em três Zonas Especiais de Conservação: Comporta/Galé, Costa Sudoeste e Ria Formosa/Castro Marim, precisou a universidade alentejana.

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a Associação de Desenvolvimento da Natureza e Ambiente - Rewilding Sudoeste (RWSW), a empresa de consultoria especializada em biodiversidade, ecologia, ambiente e recursos naturais FloraData e o Centro de Investigação Científica e Tecnológica da Estremadura espanhola também colaboram no projeto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+