Tempo
|
A+ / A-

Barreiro aprova saída da Associação de Municípios de Setúbal

02 nov, 2022 - 21:01 • Lusa

Presidente da Câmara explicou que o valor que o município pagava para a Associação de Municípios da Região de Setúbal era demasiado elevado face ao retorno.

A+ / A-

A Câmara Municipal do Barreiro, liderada pelo socialista Frederico Rosa, aprovou a desvinculação da autarquia da Associação de Municípios da Região de Setúbal (AMRS).

A decisão do executivo do Barreiro, no distrito de Setúbal, aprovada com sete votos a favor e dois contra, surge dois dias depois de o município da Moita (PS) ter também aprovado em reunião de câmara a sua saída da estrutura da região de Setúbal.

A AMRS, presidida por André Martins (CDU), que dirige a Câmara de Setúbal, integra atualmente 11 concelhos daquele distrito, cinco dos quais liderados pelo Partido Socialista e os restantes pela CDU.

O presidente da Câmara do Barreiro explicou que sempre foi reconhecido por um vasto conjunto de eleitos que o valor que o município pagava para a AMRS era demasiado elevado face ao retorno.

O Barreiro, adiantou Frederico Rosa, paga mais de 150 mil euros por ano em contraposição com os 20 mil que despende para a Área Metropolitana de Lisboa.

Por essa razão, explicou, foi criado um acordo que permitia, já este ano, uma redução em 25% do valor anual pago por cada município.

Contudo, segundo Frederico Rosa, depois de um período de reflexão de quatro anos pela direção da AMRS, os municípios foram surpreendidos com o facto de os documentos para o orçamento da AMRS não incluírem esta proposta, mas sim um pedido de nova reflexão.

"Parece-me que é tempo demasiado para reflexão. Posto isto, e porque também estive envolvido diretamente nestas negociações, não nos resta outra alternativa senão propor aos órgãos (Câmara Municipal e Assembleia Municipal) a retirada do município do Barreiro desta associação", disse.

Frederico Rosa disse ainda que o município "não pode pagar centenas de milhares de euros por ano, mais de 600 mil euros em cada mandato", para uma organização e "não haver um retorno aproximado das verbas despendidas".

O vereador Miguel Amaral (CDU) questionou a proposta, considerando que esta parece ser uma ação concertada dos municípios socialistas, alertando para o risco de a saída colocar em causa a existência da própria associação.

Na segunda-feira, a Câmara Municipal da Moita aprovou em reunião, com os votos contra dos quatro vereadores eleitos pela CDU, a abstenção do vereador independente Ivo Pedaço (ex-Chega) e quatro votos a favor do PS (do presidente, Carlos Albino, que tem voto de qualidade, e dos três vereadores), a desvinculação do município da AMRS.

A intenção de desvinculação tinha já sido anunciada em 21 de outubro pelo presidente da autarquia da Moita, em declarações à agência Lusa, por também considerar que o município paga anualmente um valor muito elevado à associação, com um retorno reduzido.

Segundo o autarca, a Câmara da Moita paga anualmente 225 mil euros para financiar um modelo que, no seu entender, tem um retorno reduzido para os municípios associados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+