Tempo
|
A+ / A-

Estudo europeu para detetar risco de cancro da mama em mulheres jovens abrange hospital de Lisboa

30 out, 2022 - 09:49 • Lusa

O projeto BRIGHT (Be RIGHT with breast cancer risk management) é financiado em cerca de 2,9 milhões de euros pelo European Institute of Innovation and Technology e vai decorrer também na Suécia e na Estónia.

A+ / A-

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) vai integrar um estudo europeu para identificar o risco de cancro da mama em mulheres jovens, através de um teste genético que está a ser desenvolvido por uma equipa internacional.

O CHULN será o “único hospital português a disponibilizá-lo às mulheres que o queiram realizar para determinar o risco genético acrescido de vir a desenvolver a doença e adequar os rastreios e medidas a esse risco”, adiantou o centro que integra os hospitais Santa Maria e Pulido Valente, no Dia Nacional de Luta Contra o Cancro da Mama.

O projeto BRIGHT (Be RIGHT with breast cancer risk management) é financiado em cerca de 2,9 milhões de euros pelo European Institute of Innovation and Technology e vai decorrer também na Suécia e na Estónia.

“O risco de cancro da mama das mulheres depende de muitos fatores ambientais, estilos de vida e genéticos. No entanto, na Europa, e até ao momento, apenas a seleção baseada na idade é usada para rastreio mamográfico”, referiu o CHULN em comunicado.

Segundo o centro hospitalar, as mulheres em risco com menos de 50 anos não são geralmente rastreadas, embora esse grupo represente mais de 20% dos casos de cancro da mama na Europa.

“O cancro da mama em mulher jovem tem um pior prognóstico porque muitas vezes é tratado já numa fase com maior volume de tumor e tem pior prognóstico pela própria idade”, alertou Luís Costa, diretor do Departamento de Oncologia do CHULN.

De acordo com o especialista, nas mulheres jovens, além de ter um impacto muito grande na sua saúde, o diagnóstico de cancro da mama “também pode abalar outras vertentes da sua vida, como por exemplo, a familiar, conjugal, reprodutiva e profissional”.

O CHULN acrescentou ainda que esta triagem direcionada com base no risco genético pode permitir a prevenção precisa do cancro de mama e diminuir a carga social e económica da doença, acrescentando anos de vida saudável às mulheres participantes.

Para aumentar essa deteção precoce, a equipa do projeto BRIGHT desenvolveu um teste de pontuação que indica como o risco de cancro da mama de uma pessoa se compara a outras com uma constituição genética diferente, permitindo uma triagem direcionada por meio de estimativa para mulheres a partir dos 35 anos.

Esta solução será disponibilizada a voluntárias e utentes de serviços não oncológicos do CHULN e os resultados serão acompanhados por ações de seguimento para gestão de risco futuro da doença.

“Para a equipa de profissionais que trata doentes com cancro da mama no CHULN, constitui um projeto inovador na medida em que concentra esforços e cria conhecimento na capacidade de deteção precoce do cancro da mama, facto que pode ser decisivo para o prognóstico”, reforçou Luís Costa.

O cancro da mama é o mais comum em mulheres em todo o mundo, com mais de dois milhões de novos casos todos os anos.

Na Europa, os rastreios por mamografia de mulheres dos 50 aos 74 anos diagnosticam aproximadamente 58% de todos os casos, adiantou o centro hospitalar, ao salientar que um diagnóstico precoce proporcionado pela mamografia reduz o risco de morte pela doença até 40%.

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) vai integrar um estudo europeu para identificar o risco de cancro da mama em mulheres jovens, através de um teste genético que está a ser desenvolvido por uma equipa internacional.

O CHULN será o “único hospital português a disponibilizá-lo às mulheres que o queiram realizar para determinar o risco genético acrescido de vir a desenvolver a doença e adequar os rastreios e medidas a esse risco”, adiantou hoje o centro que integra os hospitais Santa Maria e Pulido Valente, no Dia Nacional de Luta Contra o Cancro da Mama.

O projeto BRIGHT (Be RIGHT with breast cancer risk management) é financiado em cerca de 2,9 milhões de euros pelo European Institute of Innovation and Technology e vai decorrer também na Suécia e na Estónia.

“O risco de cancro da mama das mulheres depende de muitos fatores ambientais, estilos de vida e genéticos. No entanto, na Europa, e até ao momento, apenas a seleção baseada na idade é usada para rastreio mamográfico”, referiu o CHULN em comunicado.

Segundo o centro hospitalar, as mulheres em risco com menos de 50 anos não são geralmente rastreadas, embora esse grupo represente mais de 20% dos casos de cancro da mama na Europa.

“O cancro da mama em mulher jovem tem um pior prognóstico porque muitas vezes é tratado já numa fase com maior volume de tumor e tem pior prognóstico pela própria idade”, alertou Luís Costa, diretor do Departamento de Oncologia do CHULN.

De acordo com o especialista, nas mulheres jovens, além de ter um impacto muito grande na sua saúde, o diagnóstico de cancro da mama “também pode abalar outras vertentes da sua vida, como por exemplo, a familiar, conjugal, reprodutiva e profissional”.

O CHULN acrescentou ainda que esta triagem direcionada com base no risco genético pode permitir a prevenção precisa do cancro de mama e diminuir a carga social e económica da doença, acrescentando anos de vida saudável às mulheres participantes.

Para aumentar essa deteção precoce, a equipa do projeto BRIGHT desenvolveu um teste de pontuação que indica como o risco de cancro da mama de uma pessoa se compara a outras com uma constituição genética diferente, permitindo uma triagem direcionada por meio de estimativa para mulheres a partir dos 35 anos.

Esta solução será disponibilizada a voluntárias e utentes de serviços não oncológicos do CHULN e os resultados serão acompanhados por ações de seguimento para gestão de risco futuro da doença.

“Para a equipa de profissionais que trata doentes com cancro da mama no CHULN, constitui um projeto inovador na medida em que concentra esforços e cria conhecimento na capacidade de deteção precoce do cancro da mama, facto que pode ser decisivo para o prognóstico”, reforçou Luís Costa.

O cancro da mama é o mais comum em mulheres em todo o mundo, com mais de dois milhões de novos casos todos os anos.

Na Europa, os rastreios por mamografia de mulheres dos 50 aos 74 anos diagnosticam aproximadamente 58% de todos os casos, adiantou o centro hospitalar, ao salientar que um diagnóstico precoce proporcionado pela mamografia reduz o risco de morte pela doença até 40%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+