A+ / A-

​Fechar esquadras “nunca” resultou em “mais elementos policiais na rua”

27 out, 2022 - 09:50 • João Cunha

Associação Sindical de Profissionais de Polícia mostra-se preocupada com planos anunciados pelo diretor nacional da PSP em entrevista ao programa Hora da Verdade. Magina da Silva diz que propuseram o fecho de esquadras no Porto e Lisboa para colocar mais agentes na rua.

A+ / A-

O presidente da Associação Sindical de Profissionais de Polícia (ASPP), Paulo Santos, defende que fechar esquadras não garante mais polícias na rua. O responsável associativo refere experiências do passado para justificar a sua preocupação.

“Quando se encerraram esquadras, principalmente nas cidades do Porto e de Lisboa, nunca houve uma tradução efetiva do aumento dos efetivos, ou seja, aquilo que é o encerramento das esquadras nunca teve uma tradução efetiva de mais elementos policiais na rua”, assegura.

Paulo Santos confessa ver com preocupação o projeto anunciado pelo diretor nacional da PSP, lembrando que a ideia não é nova e “culminou sempre na manutenção ou adiar dos problemas".

Na mesma entrevista, Magina da Silva revela a existência de um plano para reorganizar a polícia que passa por fechar esquadras e também a criação de um plano de alojamento para polícias deslocados.

Para Paulo Santos, presidente da ASPP, é estar a misturar alhos com bugalhos. No caso, caridade com salários. E isso não chega. É, de resto, "mais um dos exemplos da nossa discordância com as interpretações que é feita pelo senhor diretor nacional, que propõe medidas que amparam as más decisões políticas".

Medidas de "desespero"

O dirigente da ASPP não se opõe ao plano de alojamento para polícias deslocados, mas sublinha que isso é uma política de assistência social e que são “medidas já em desespero”.

“A ASPP entende que problemas associados à falta de atratividade e à própria manutenção dos profissionais da instituição passam por uma questão de dignificação salarial", o presidente da Associação Sindical de Profissionais de Polícia.

Na sua opinião, há que "rever as tabelas salariais, os postos, as carreiras, as formas como se progride, criar condições de trabalho e dignificar a profissão".

Ainda sobre a possibilidade de colocar um agente da PSP em cada Junta de Freguesia que venha a perder a esquadra que a servia, Paulo Santos considera que "era importante perceber se as Juntas estão preparadas para isso, e saber se há efetivo disponível e para fazer o quê nessas instituições".

Uma vez mais, sublinha, "o Governo, muitas vezes amparado pela Direção-Nacional da PSP, secundariza o que é importante resolver: a questão da atratividade salarial, das condições de trabalho e da motivação e dignificação dos profissionais, para prestarem um melhor serviço às populações".

A Associação Sindical considera que o importante era perceber o que está na base do afastamento dos candidatos á profissão.

"Se perguntar hoje a um jovem porque é que não quer concorrer à polícia, não tem nada a fazer com o funcionamento ou reorganização da instituição ou dos serviços. Tem a ver com o que o leva a não olhar para a Polícia como uma instituição apelativa ou atrativa", remata.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+