A+ / A-

Paulo Rangel

PSD considera que acordo sobre gasoduto ibérico "prejudica o interesse nacional"

22 out, 2022 - 14:00 • Ana Catarina André

Paulo Rangel afirma que França e Espanha ficaram a ganhar e alerta para a perda de relevância do Porto de Sines.

A+ / A-

Paulo Rangel considera que o acordo sobre o novo gasoduto ibérico prejudica o interesse nacional.

Em declarações à imprensa, este sábado, o vice-presidente do PSD criticou o novo projeto, que pretende completar a interconexão entre Portugal e Espanha, entre Celorico da Beira e Zamora, avançando depois entre Barcelona e Marselha por via marítima:

“Trocámos o valor das nossas renováveis e o potencial do porto de Sines por um prato de lentilhas.”

“Na eletricidade, ganhou a França e o nuclear. Perdeu Portugal e as renováveis. No gás, ganhou a Espanha e o porto de Barcelona. Perdeu Portugal e o porto de Sines”, acrescentou Paulo Rangel.

O dirigente do PSD considera que, com a queda “dos compromissos internacionais firmes e calendarizados desde 2014”, o terminal de Sines ficou secundarizado e se perderam duas interligações elétricas que eram "mais importantes” para o país, referindo-se à interligação pelos Pirenéus que deixa de existir.

“Fica assim em causa o objetivo nacional, tantas vezes repetido pelo governo de António Costa, de fazer do Porto de Sines a ‘porta de entrada’ do GNL [gás natural liquefeito] na Europa”, disse Rangel.

O PSD exigiu, ainda, “uma divulgação detalhada dos termos do acordo e uma avaliação técnica e independente das suas consequências”.

“Temos mesmo de conhecer o acordo, que ninguém sabe onde foi feito, por quem e sequer se está assinado”, afirmou Rangel.

“Há perguntas essenciais por responder. Quanto vai custar este projeto a Portugal – quando anterior tinha todo o financiamento previsto e garantido? Quanto vai custar? Quem vai pagar? Não vai ele aumentar a fatura da energia dos portugueses? Quanto tempo vai demorar?", aditou.

Paulo Rangel criticou, também, o gasoduto marítimo para transportar hidrogénio verde.

“Para lá questão das condições de produção, para integrar Portugal no ‘Corredor de Energia Verde’ não basta a ligação Celorico da Beira-Zamora, aliás reprovada no teste ambiental; é preciso adaptar toda a rede”, afirmou. “Nada se sabe sobre isto”, rematou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+