A+ / A-

Ministra da Defesa. Novos KC 390 "criaram 350 postos de trabalho altamente qualificados"

19 out, 2022 - 14:25 • Liliana Monteiro

Estado comprou cinco aeronaves no valor de 827 milhões de euros. Primeiro avião foi apresentado publicamente esta quarta-feira, mas chega às mãos da Força Aérea em fevereiro do próximo ano.

A+ / A-

A ministra da Defesa, Helena Carreiras, afirmou esta quarta-feira que o programa de aquisição de cinco aeronaves KC 390 traz “retorno económico”, sublinhando que contribuiu para a "criação de mais de 350 postos de trabalho altamente qualificados, entre engenharia de desenvolvimento e de produção, e todo o leque de saberes avançados que esta indústria integra, além de envolver empresas de vários pontos do país”.

Helena Carreiras falava em Beja, na Base Aérea n.º 11, onde decorreu a cerimónia de apresentação pública da primeira aeronave nacional KC 390. Para a governante, "o KC-390 representa velocidade, alcance e modernidade, representando um salto qualitativo inquestionável".

Durante o discurso, Helena Carreiras afirmou que “não poderia deixar de sublinhar o sucesso e retorno económico comprovado, especialmente, porque se trata do primeiro programa de aeronáutica com engenharia portuguesa”.

A compra dos aparelhos, que constava de uma resolução de Conselho de Ministros datada de 2019, justifica-se, diz, dado o “novo contexto internacional, de novos desafios emergentes e da necessidade de acompanhar de forma próxima os desenvolvimentos tecnológicos mais recentes”.

De acordo com a titular da pasta da Defesa Nacional, as missões e operações requerem que as Forças Armadas se encontrem com “elevada prontidão, projetáveis, bem treinadas e com equipamento de última geração”.

À semelhança do primeiro-ministro, António Costa, também a ministra da Defesa sublinhou que “o desenvolvimento desta aeronave envolveu mais de 650 mil horas de trabalho de engenharia em Portugal e mais de dois mil desenhos técnicos gerados no país”.

As aeronaves que vão substituir o Hercules C 130, que operam desde 1977 e que segundo a ministra “têm cumprido a sua missão de forma admirável e fiável, ao longo dos últimos 45 anos, ao serviço do país, tendo atingido recentemente o marco de 85 mil horas voadas”, adiantou a governante.

Entre outras funções, salientou, que este avião vai “robustecer a capacidade de ação nacional para projetar e retrair militares, assim como para amplificar a capacidade de apoio logístico e material às forças nacionais destacadas”, vai ainda “aumentar a capacidade nacional de resposta em proteção da diáspora de forma mais célere eficaz e eficiente” e de “evacuação aeromédica e de busca e salvamento”, adiantou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+