Tempo
|
A+ / A-

Transportes foram alvo de 38 queixas por dia em 2021

14 out, 2022 - 09:20 • Redaçao

Setores rodoviário e ferroviário reúnem 92% das queixas. CP, Expressos e Metro de Lisboa com pior desempenho.

A+ / A-

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) registou no ano passado 14.032 reclamações. Em média, a AMT recebeu 38 queixas por dia, segundo dados avançados pelo Jornal de Notícias (JN).

Cerca de um terço (31.5%) das queixas resultaram da insatisfação pelos serviços prestados por três empresas de transportes públicos: Comboios de Portugal (CP), Rede Nacional de Expressos e Metropolitano de Lisboa. Estas foram as operadoras que reuniram o maior número de queixas num ano em que a procura pelos transportes foi muito afetada pela pandemia de Covid-19.

O número de queixas tem vindo a diminuir desde 2019, mesmo que, no segundo semestre do ano passado, tenham chegado à Autoridade Nacional da Mobilidade quase o dobro das reclamações (9130) do que a primeira metade de 2021 (4902). O setor rodoviário e ferroviário são responsáveis por quase 92% dos reportes.

Dentro do setor rodoviário, 44.8% das reclamações dizem respeito ao transporte coletivo de passageiros, sendo que os táxis e TVDE (transportes em veículos descaracterizados) receberam 390 relatos negativos, com a Uber a ser a entidade com mais reclamações (318), seguida da Bolt (70).

Segundo o JN, os problemas relacionados com os títulos de transporte (bilhetes e passes) e com as máquinas de venda, o cancelamento de serviços e as críticas à conduta dos funcionários são as situações mais reportadas pelos passageiros. A empresa com mais queixas é a CP com 2286 queixas, seguida da Rede Nacional de Expressos (1120 reportes).

Depois da enorme redução da procura no primeiro ano da pandemia, as empresas têm vindo a recuperar clientes. De janeiro a setembro deste ano a procura aumentou 76% face ao ano anterior.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anonimo
    14 out, 2022 Coimbra 09:55
    Estes números só demonstram que as pessoas não se queixam. Porque se queixassem por supressões, atrasos, ou más condições... estes números supostamente grandes só pecam por defeito. E não se queixam porque simplesmente não vale a pena. As empresas, ou nem respondem, ou quando o fazem é usando o "template". Estão-se lixando para o utente/cliente. Querem melhor, vão à concorrência.

Destaques V+