Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Amílcar Moreira

“Como país não nos pensamos para o futuro”, diz investigador do ISEG

29 set, 2022 - 12:30 • Cristina Nascimento

Investigador e professor universitário denuncia dificuldades no acesso a dados, impedindo melhor planeamento de políticas públicas.

A+ / A-

Amílcar Moreira, investigador do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), considera que “como país, não nos pensamos para o futuro” e denuncia dificuldade no acesso a dados públicos que permitiram desenhar melhores políticas publicas.

O investigador diz que “Portugal está estruturalmente atrasado no acesso a dados”, o que considera ser “uma vergonha”.

“Faço parte de uma comunidade de investigadores que há 20 anos pede dados e não consegue obtê-los”, exemplificou.

Amílcar Moreira pega na ideia lançada pelo líder do PSD sobre a redução do IRS Jovem e questionou se essa medida será a melhor ou se existiriam outras, por exemplo, um “bem desenhado” subsídio para tornar a habitação acessível. “Esse comparativo pode ser feito através na análise de dados”.

Este investigador deu outro exemplo de falta de planeamento e importância dos dados: o recente estudo sobre que necessidades de professores é que o país vai ter. O documento é positivo, assegura, mas “está 20 anos atrasado”.

Na sua intervenção na conferência “Em Nome do Futuro: Os desafios da juventude” esta quinta-feira, deu ainda o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) como outro exemplo que não se pensa o futuro, lembrando que os governantes assumiram publicamente que o PRR permitira fazer o investimento que não foi feito nos últimos 20 anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+