Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Porto. Presidente da Câmara diz fazer "mais sentido" ponte com dupla utilização

26 set, 2022 - 15:36 • Lusa

Rui Moreira considera que "ponte com dupla utilização" implicará "ganhos de eficiência". Solução está a ser estudada pelas Câmaras do Porto e de Gaia e Infraestruturas de Portugal.

A+ / A-

O presidente da Câmara do Porto disse esta segunda-feira fazer "mais sentido para o interesse público" que a nova ponte rodoviária e ferroviária no rio Douro culminem numa "ponte com dupla utilização", aguardando, no entanto, o anúncio do primeiro-ministro.

"Vamos ver o que nos vai ser apresentado esta quarta-feira, o primeiro-ministro e o ministro das Infraestruturas vêm cá [ao Porto]. Vamos ver, se de facto houver a possibilidade de construir uma ponte de dupla utilização provavelmente faz mais sentido para o interesse público", afirmou Rui Moreira, à margem da reunião do executivo.

O Jornal de Notícias avança nesta segunda-feira que, em vez de duas novas pontes sobre o rio Douro, a solução que está a ser negociada entre a Câmara do Porto, Câmara de Gaia e a Infraestruturas de Portugal (IP) passa por "apenas uma ponte com dois tabuleiros: um para o comboio de alta velocidade e outro rodoviário".

"Esse dossiê deverá ficar fechado nos próximos dias e está dependente da análise dos engenheiros que trabalham no desenho do novo atravessamento", observa o diário, indicando que, na quarta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, vão apresentar a nova linha de alta velocidade entre o Porto e Lisboa na estação de Campanhã.

Aos jornalistas, Rui Moreira adiantou que a proposta da IP ainda "não chegou" à Câmara do Porto, mas que, numa reunião com o ministro Pedro Nuno Santos, o secretário de Estado e a Câmara de Gaia foram avisados de que estava a ser pensado "um percurso diferente" à solução inicialmente proposta para a ponte de alta velocidade.

"A partir daí, começámos a pensar que de facto o que estávamos a fazer relativamente à ponte [D. António Francisco dos Santos] - e de facto está bastante avançado - tem de ser analisado em função do que possa vir a ser uma decisão sobre a ponte ferroviária, porque não faz sentido as pontes cruzarem", referiu.

Questionado sobre o eventual investimento que terá de ser feito caso se avance com a construção de uma "ponte com dupla utilização", o autarca independente garantiu que "Porto e Gaia com certeza não vão construir a ponte ferroviária".

Já quanto ao concurso de conceção e construção da ponte rodoviária D. António Francisco dos Santos, Rui Moreira adiantou que, caso venha a ser cancelado, os concorrentes terão de ser indemnizados.

Também em declarações aos jornalistas, o vereador do Urbanismo da Câmara do Porto, Pedro Baganha, adiantou que a IP tem vindo a estudar "alternativas" para a travessia da linha de alta velocidade, uma vez que a hipótese de construir uma ponte "gémea" à ponte de S. João foi "abandonada pela IP por questões técnicas de vária ordem".


"A IP está a trabalhar numa alternativa de uma ponte nova a montante da ponte de S. João, mas mais afastada e não paralela a essa mesma ponte", observou, dizendo que a IP contactou os dois municípios pela "sobreposição espacial" entre as duas pontes sobre o rio Douro.

Ponte única com "ganhos de eficiência"

"No seguimento desse contacto com a IP, estamos neste momento a equacionar quais são os graus de liberdade e implicações da necessidade desta nova ponte ferroviária e não nego que uma das hipóteses que está em cima da mesa é substituir duas pontes, uma rodoviária à quota baixa e uma ferroviária à quota alta, por uma só ponte com dois tabuleiros, sendo que o tabuleiro será dedicado à alta velocidade e o inferior faria o serviço rodoviário de proximidade proposto", adiantou, dizendo que a "ponte com dupla utilização" implicará sempre "ganhos de eficiência".

Pedro Baganha salientou, no entanto, que "não está ainda nada fechado" e que "este esforço de concertação" implicará melhores usos dos dinheiros públicos, mas também de impacto no vale do rio Douro.

Quanto ao concurso de conceção e construção da ponte D. António Francisco dos Santos, o prazo para a apresentação dos projetos foi prorrogado até meados de outubro, depois de três dos sete candidatos o terem solicitado ao júri.

No concurso foram admitidos sete candidatos: a empresa Puentes y Calzadas Infraestructuras S.L.U., o consórcio de Alexandre Barbosa Borges, S.A. e Construgomes Engenharia, S.A., o consórcio Mota-Engil, Engenharia e Construção, S.A. e Omatapalo - Engenharia e Construção, S.A., o consórcio Afavias - Engenharia e Construções, S.A., Casais - Engenharia e Construções, S.A. e Teixeira Duarte - Engenharia e Construções, S.A., o consórcio Ramalho Rosa Cobertar, Sociedade de Construções, S.A. e FCC Construcción, S.A., o consórcio Alberto Couto Alves, S.A., Alves Ribeiro, S.A. e Betar Consultores, Lda., e a empresa Conduril - Engenharia, S.A.

.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+