Tempo
|
A+ / A-

Ciberataque

Documentos portugueses da NATO foram apanhados à venda na "dark web"

08 set, 2022 - 08:19 • Olímpia Mairos

Governo português foi informado do "ciberataque prolongado e sem precedentes" pelos Serviços de Informações norte-americanos.

A+ / A-

O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) foi alvo de um "ciberataque prolongado e sem precedentes" que teve como resultado a exfiltração de documentos classificados da NATO, avança o Diário de Notícias (DN) esta quinta-feira.

De acordo com o jornal, o Governo português foi informado, no passado mês de agosto, pelos Serviços de Informações norte americanos, através da embaixada em Lisboa, de um ciberataque prolongado e sem precedentes. Uma comunicação que terá sido feita diretamente ao primeiro-ministro António Costa.

As suspeitas de quebra de segurança recaem em computadores do EMGFA, das secretas militares e do Ministério da Defesa.

Segundo fontes ouvidas pelo DN, que estão a acompanhar o caso, considerado de "extrema gravidade", terão sido os ciberespiões da Inteligência norte-americana a detetar "à venda na darkweb centenas de documentos enviados pela NATO a Portugal, classificados como Secretos e Confidenciais".

A porta-voz oficial da embaixada dos EUA em Lisboa, questionada pelo jornal, não desmentiu, limitando-se a afirmar: "Não comentamos assuntos da Inteligência".

A NATO já terá exigido explicações e garantias ao Governo português e, na próxima semana, em representação de António Costa, deverão deslocar-se ao quartel-general da NATO, em Bruxelas, para uma reunião de alto nível no NATO Office of Security, o secretário de Estado da Digitalização e da Modernização Administrativa, Mário Campolargo, que tutela o GNS, e o próprio diretor-geral deste Gabinete, vice-almirante Gameiro Marques, que é responsável pela segurança das informações classificadas enviadas para o nosso país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    08 set, 2022 Lisboa 08:20
    Alguém ainda pensa que não estamos em Guerra com a Rússia, embora seja a martirizada Ucrânia, a única que os enfrenta diretamente no Campo de Batalha?

Destaques V+