Tempo
|
A+ / A-

Ciberataque à Defesa nacional exige uma "investigação séria"

08 set, 2022 - 16:35 • Liliana Monteiro com Redação

O Major-General Isidro Morais Pereira, do Gabinete de Defesa e Segurança da SEDES, considera que Portugal tem de "investir um pouco mais" na proteção de dados informáticos e destaca a necessidade de "criar mecanismos para que isto não aconteça no futuro".

A+ / A-

Isidro Morais Pereira, do Gabinete de Segurança e Defesa da SEDES - Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, admite que Portugal sai com imagem fragilizada do ataque informático que colocou documentos portugueses da NATO à venda no mercado negro.

Em declarações à Renascença, o Major-General diz que "o mal já existe" e que agora é tempo de "investigar de forma séria". "Ir ao âmago das questões e, ainda mais do que isso, criar mecanismos para que isto não aconteça no futuro", realça.

Para piorar o cenário, Morais Pereira diz que ainda há "incertezas" sobre a informação que foi roubada ao Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA): "Nós não sabemos se são documentos portugueses, produzidos em Portugal em resposta a perguntas da NATO, ou se se tratou de documentos da NATO que nós cedemos e que precisamos de os estudar e aceder".

"Houve uma quebra qualquer de segurança e esses documentos foram parar a mãos alheias", lamenta.

De acordo com o que foi avançado pelo Diário de Notícias (DN), o Governo português foi alertado para a situação pelos Serviços de Informação dos Estados Unidos, no passado mês de agosto. O Major-General diz ser natural que "tenham sido os próprios americanos os primeiros a descobrir que isto se passou".

"Os Estados Unidos são o país que está mais evoluído, quer em matéria de defesa e cibersegurança, quer na utilização da ciberarma. Esta capacidade tencológica, naturalmente, exige um investimento vultuosíssimo", explica Isidro Morais Pereira.

Segundo o Major-General, a NATO e também Portugal dispõem de mecanismos para controlar e investigar os ciberataques, que "funcionam todos os dias no sentido de proteger não apenas a sua organização, o seu Estado, designadamente o Ministério da Defesa e as Forças Armadas, mas também outros setores importantes da vida do país".

Portanto, dada a importância destas operações, Morais Pereira salienta a necessidade de um maior investimento na proteção das bases de informação, tanto militares como civis.

"Espero que este incidente venha a alertar quem de direito para a necessidade de investirmos um pouco mais nisso, para que não voltemos a ser surpreendidos desta forma", remata.

Contactado pela Renascença, o Estado-Maior General das Forças Armadas diz que está a analisar a divulgação da notícia avançada pelo DN e que, para já, não faz comentários ao caso. Já o Ministério da Defesa diz apenas que “todos os ciberataques são objeto de coordenação estreita entre as entidades que, em Portugal, são responsáveis pela cibersegurança”.

A NATO já terá exigido explicações e garantias ao Governo português e, na próxima semana, irá encontrar-se com representantes de António Costa no quartel-general da NATO, em Bruxelas, para uma reunião de alto nível no NATO Office of Security.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+