Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Seca extrema

Ambientalistas admitem racionamento da água para uso doméstico em Portugal

23 ago, 2022 - 20:00 • Teresa Almeida , Rosário Silva

Comissão Europeia divulgou um relatório onde estima que a Península Ibérica possa ter, até novembro, "condições mais secas do que o habitual", alertando para a falta de armazenamento de água em Portugal.

A+ / A-

A associação ambientalista Zero admite que, caso a situação de seca se agrave ainda mais em Portugal, poderá ser necessário recorrer a medidas mais extremos e começar a racionar a água para utilização doméstica.

O Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia previu esta terça-feira que a Península Ibérica possa ter, até novembro, "condições mais secas do que habitual", ao mesmo tempo que admitiu que "os riscos podem persistir" relativamente à seca, alertando para a falta de armazenamento de água em Portugal.

“É provável que nos próximos meses, até novembro de 2022, ocorram condições mais quentes e secas do que o habitual na região euro-mediterrânica ocidental. Em algumas zonas da Península Ibérica, estão previstas condições mais secas do que as habituais para os próximos três meses”, refere este organismo, num relatório atualizado sobre a avaliação da situação de seca na Europa.

Em declarações à Renascença, Sara Correia, da Zero, sublinha que o relatório agora divulgado mostra que “vamos ver prolongadas as condições que temos atualmente, tempo seco e quente, portanto, isto vai agravar a situação que já estamos a viver e que deixou grande parte das nossas albufeiras e barragens numa situação bastante critica”.

A manterem-se estas condições meteorológicas, a “situação vai agravar-se”, levando, inevitavelmente, “à tomada de medidas para fazer uma gestão muito mais ao detalhe daquilo que são os recursos hídricos que temos disponíveis”.

Questionada sobre que medidas podem ou devem ser implementadas, a ambientalista responde com a prioridade das prioridades.

“Tem que ser sempre assegurado o abastecimento às populações, esta é a prioridade. Todas as outras utilizações da água ficarão para segundo plano”, diz, elegendo a agricultura como” o setor que mais consome água a nível nacional”.

Sobre o racionamento de água para uso doméstico, Sara Correia lembra que agora, como em situações de seca anteriores, algumas regiões do país “têm de ser abastecidas por autotanques através dos bombeiros”, o que, por si só, “já é uma medida de racionamento”.

Em caso de agravamento significativo, esta e outras medidas terão que ser colocadas em cima da mesa.

“Não temos propriamente essas medidas rígidas que obriguem a população a um consumo muito rigoroso da água, mas essas medidas podem ser equacionadas”, embora não saiba “se chegaremos ao ponto de racionar a água para consumo doméstico, mas podemos até chegar a essa situação, sim”, sublinha.

Uma agricultura menos dependente da água

O relatório da Comissão Europeia deixa também alertas sobre a água disponível para a produção hidroelétrica, para a irrigação dos terrenos, além da possibilidade da continuação de risco elevado de incêndio.

Nesta altura, Portugal tem energia hidroelétrica armazenada, em reservatórios de água, inferior a metade da média dos últimos cinco anos. Uma situação extrema com impactos em várias áreas, como na agricultura.

“Estamos numa situação extrema e daí fazerem esta referência a ser uma das piores ou talvez a pior seca nos últimos 500 anos”, o que “vai ter impacto a vários níveis, e a agricultura é obviamente um deles”, uma vez que algumas regiões do país, “a agricultura está muito dependente da água e da existência de recursos hídricos”, lembra, Sara Correia.

“A agricultura aposta muito em culturas permanentes, que precisam de irrigação contínua e em grandes quantidades de água”, menciona, “e isso torna-nos ainda mais dependentes dos recursos hídricos que vão ser cada vez menos”.

Esta responsável da Associação Sistema Terrestre Sustentável admite a necessidade de “medidas de gestão em relação ao tipo de agricultura que praticamos”, para “sermos mais resilientes a estas situações de seca e termos uma agricultura menos dependente da água.”

O documento sobre a situação da seca na União Europeia (UE) em agosto, ndica que 47% do espaço comunitário está em condições de alerta, o que significa que a precipitação tem sido inferior ao normal e que a humidade do solo é deficitária.

Entre as regiões mais afetadas pela falta de chuva, entre junho e agosto estão o centro e o sul de Portugal, Espanha, sul de França, centro de Itália, sul da Alemanha, Eslováquia, Hungria e Roménia.

A Península Ibérica sofreu uma prolongada onda de calor na primeira quinzena de julho de 2022, levando a temperaturas acima da média a longo prazo para o mesmo mês, estando ainda a registar temperaturas elevadas.

A Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, que envolve os Ministérios do Ambiente e da Agricultura, reúne-se na quarta-feira.

Seca deixa antiga aldeia de Vilarinho da Furna à vista
Seca deixa antiga aldeia de Vilarinho da Furna à vista
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lítio
    24 ago, 2022 Portugal 09:23
    Os recursos hídricos em Portugal são finitos. E escassos para todos os usos "sonhados". É necessário bom senso e racionalidade, e planeamento estratégico nas actividades económicas e a sua relação com a água. Turismo, Agricultura e Indústria...têm de ser bem pensados e quantificados. A exploração de lítio tem impactos ecológicos gigantes. Nomeadamente no consumo de água. Se a Renascença quiser desempenhar bem a função informadora, de jornalismo, poderá verificar quantos litros de água são necessários para produzir uma tonelada de lítio.
  • Lítio
    23 ago, 2022 Portugal 21:11
    Quanta água é necessária para a extracção de 1 tonelada de lítio? Quanta àgua é necessária por dia e por ano numa mina da lítio?

Destaques V+