Tempo
|
A+ / A-

DGS recruta jovens para analisar exposição a publicidade alimentar

18 ago, 2022 - 08:50 • Fátima Casanova , Marta Pedreira Mixão

Participantes, abaixo dos 18 anos, têm de instalar uma aplicação que vai recolher informação sobre os anúncios alimentares a que estão expostos.

A+ / A-

Desde abril de 2019 que Portugal tem uma lei que introduziu restrições à publicidade alimentar dirigida a menores de 16 anos, agora a Direção-Geral de Saúde (DGS), no âmbito de um estudo em colaboração com a Organização Mundial da Saúde Europa, está a recrutar crianças e adolescentes para um estudo que procura perceber o tipo de publicidade alimentar dirigida a estes jovens.

A lei visa géneros alimentícios e bebidas que contenham elevado valor energético, teor de sal, açúcar, ácidos gordos saturados e ácidos gordos transformados.

Em declarações à Renascença, a diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável e responsável pela coordenação do estudo explica que este consiste na instalação de uma aplicação num telemóvel ou tablet que recolherá a informação dos anúncios.

“Aquilo que estamos a fazer é recrutar uma amostra de crianças e adolescentes portugueses que vamos convidar, durante um período de quatro semanas, a instalar uma aplicação nos seus dispositivos móveis, que poderão ser telemóveis ou tablets e, essa aplicação permite, de forma automática, captar todos os anúncios aos quais todas as crianças e jovens foram expostos enquanto navegavam em diferentes redes sociais e plataformas”, detalha Maria João Gregório.

Desta forma, para a realização do estudo, a DGS está a recrutar crianças e adolescentes entre os 3 e os 18 anos, que utilizem dispositivos móveis com sistema operativo Android, para avaliar a exposição ao marketing digital de alimentos e bebidas.

Segundo Maria João Gregório, neste momento, já há cerca de 200 inscrições, mas apenas 60 já iniciaram a sua participação no estudo através da instalação da aplicação.

A responsável pelo estudo alerta ainda que os estudos feitos até então, “nos meios de comunicação mais tradicionais, na maioria dos casos, a publicidade a alimentos não saudáveis é, claramente, muito superior à publicidade de alimentos saudáveis e sabemos que, de facto – porque a evidência científica nos mostra isso –, as preferências das crianças, são influenciadas pelo marketing de alimentos”.

Além de avaliar a exposição das crianças e adolescentes ao marketing digital de alimentos e bebidas, os dados recolhidos terão também como finalidade alertar os pais, encarregados de educação e famílias para os riscos associados a esta exposição. A informação torna-se, particularmente importante, numa altura em que cada vez mais crianças passam uma grande parte do tempo em frente a um ecrã, o que, salienta Maria João Gregório, aumenta a possibilidade de serem expostas a um número de anúncios relevante.

O formulário para a inscrição no estudo encontra-se disponível no site da DGS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+