Tempo
|
A+ / A-

GNR apreende oito toneladas de alfarroba no Algarve

01 ago, 2022 - 15:45 • Lusa

Seis pessoas foram identificadas pela apanha ilegal do fruto, em Manta Rota, Vila Real de Santo António. Furtos de alfarroba têm aumentado na região.

A+ / A-

A GNR apreendeu cerca de oito toneladas de alfarroba e identificou seis suspeitos de apanha ilegal desse fruto, na sexta-feira, em Manta Rota, concelho de Vila Real de Santo António, anunciou nesta segunda-feira a GNR.

As pessoas identificadas foram abordadas após uma denúncia recebida pela GNR de Vila Real de Santo António por "apanha ilegal de alfarroba em terreno agrícola", avaliada em cerca de 20.000 euros, precisou a GNR num comunicado.

Depois de localizados, os suspeitos foram detetados pela GNR na posse de 266 sacas, contendo cerca de 8.000 quilos de alfarroba, com um valor estimado de 20.000 mil euros, acrescenta a nota.

O Comando Territorial de Faro da GNR esclareceu que, após identificar os suspeitos, que têm entre 30 e 50 anos, os factos foram remetidos para o Tribunal Judicial de Vila Real de Santo António, no distrito de Faro.

Furtos têm aumentado

Nas últimas semanas, têm-se acentuado os furtos de alfarroba no Algarve, fruto cujo preço aumentou dez vezes nos últimos anos, tendo atingido entre 40 a 50 euros a arroba (15 quilos).

A semente do fruto é muito usada na indústria alimentar, sendo também aplicada nas indústrias farmacêutica e cosmética.

Os produtores de alfarroba no Algarve manifestaram-se na última sexta-feira, em Loulé, para exigir a promulgação de uma lei que regule o comércio daquele fruto seco.

A época de apanha de alfarroba iniciava-se, normalmente, em agosto, mas este ano, também devido às condições meteorológicas, iniciou-se mais cedo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+