Tempo
|
A+ / A-

Força Aérea sem operacionais para colocar a uso os 12 drones na vigilância florestal

20 jul, 2022 - 20:37 • Liliana Monteiro

Esta manhã na comissão de Defesa, na Assembleia da República, a ministra Helena Carreiras explicava que “só podem operar três drones em simultâneo”, admitindo que “não estão todos operacionais”.

A+ / A-

São 12 os drones comprados no último ano para vigilância de incêndios, mas a Esquadra 991 da Força Aérea não tem equipas para os operar a todos.

Em resposta à Renascença ,o Ministério da Defesa afirma que “há seis equipas de tripulantes em operação, que até final deste ano está planeada a constituição de mais equipas” e que cada equipa tem “cinco elementos”. Os drones são operados em equipa e tal como a tripulação de uma aeronave apenas tripulam um drone de cada vez.

Conclui-se por isso que há equipas seis drones em simultaneo, mas não para os 12 drones comprados em 2021, caso fosse necessário fazer uso total destes equipamentos que representaram um investimento de 4,5 milhões de euros.

Esta manhã na comissão de Defesa, na Assembleia da República, a ministra Helena Carreiras, em resposta a questões dos deputados, explicava que “só podem operar três drones em simultâneo”, admitindo que “não estão todos operacionais”.

Helena Carreiras explicava que “há uma alteração da disponibilidade dos drones, ainda na semana anterior tínhamos sete”. Situação que terá sido pouco provável ter acontecido uma vez que não há equipas para esse total de aparelhos.

Segundo a governante “a média de drones em operação tem sido cinco por semana. É uma capacidade que estamos a edificar”, explicou.

Reconheceu a existência de “problemas relacionados com o número de horas de voo, relacionados com questões meteorológicas, disponibilidade de tripulantes de operação que estavam a ser formados e indisponibilidade de aeronaves por causa de incidentes. Apesar de tudo, voaram um número superior de horas este ano, relativamente ao ano passado”.

Os dados agora divulgados à Renascença mostram que relativamente a missões de vigilância aos incêndios, em 2020 realizaram 395 horas de voo; em 2021 realizaram 578 horas de voo.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge Mergulhão
    21 jul, 2022 Amadora 17:46
    Afinal a compra foi boa, os equipamentos foram entregues a tempo, não estão avariados quantos(?) e é só um problema de escala? Não foi o sr. Costa e ministro que muda de pasta, que disseram que se tinha de investir mais no material?
  • Cidadao
    21 jul, 2022 Lisboa 13:39
    Mas segundo a ministra da Defesa(?) o problema são "as mulheres e a identidade de género nas Forças (Des)Armadas". Não é a penúria de efetivos, o material ou obsoleto ou inexistente, a Artilharia não treinar por falta de munições, o País ter de contribuir com 12 000 militares, 2 000 viaturas táticas, 7 navios de guerra, e pelo menos 50 aeronaves para o reforço de 300 000 Soldados em prontidão para fazer frente à Rússia na Europa, e não existir 1 décimo desses efetivos / material, os 2% para a Defesa que deviam estar implementados em 2023, só o serem em 2030 e é talvez ... nada disso. Aqui contribuímos à medida das nossas "possibilidades" - que são "nenhumas".

Destaques V+