Tempo
|
A+ / A-

incêndios

"Temos que reintroduzir riqueza na floresta para que deixe de ser uma ameaça", diz Costa

13 jul, 2022 - 12:02 • Lusa

De visita a Vila de Rei, o Primeiro-ministro diz que o problema dos incêndios é a mancha florestal abandonada e defende ser essencial completar o cadastro.

A+ / A-

O primeiro-ministro defende que tem de ser reintroduzida riqueza na floresta para que deixe de ser uma ameaça ao país.

"Temos que atacar a causa estrutural, a raiz do problema. Temos que reintroduzir riqueza na floresta para que deixe de ser uma ameaça e passe a ser uma riqueza do país", afirmou António Costa.

O primeiro-ministro falava em Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco, durante uma visita em que se fez acompanhar pela ministra da Justiça e pela coordenadora para a Estrutura de Missão para a Expansão do Sistema de Informação Cadastral Simplificado (eBUPi).

"Hoje, o país está a viver um período de risco máximo de incêndio. Infelizmente, muitos bombeiros e a Proteção Civil estão a combater as chamas. É a prioridade hoje, amanhã e nos próximos dias, apagar as chamas. Mas não podemos esquecer que há um problema estrutural atrás dos incêndios", disse.

Costa realçou que grande parte da mancha florestal está abandonada, "infelizmente, por hiperfragmentação da propriedade que foi perdendo valor económico".

"Apagar as chamas são a prioridade do dia de hoje e dos próximos, mas por trás de cada um desses incêndios há um problema estrutural. Grande parte do território é uma mancha florestal que está abandonada, porque perdeu valor económico. Antigamente, o corte do pinheiro pagava ou a doença ou estudo dos filhos. Atualmente, a economia e a sociedade já não têm esse grau de dependência", diz António Costa, acrescentando que foi isso que fez com que as propriedades ficassem ao abandono.

"A raiz do problema está na necessidade de cada pessoa saber de que é proprietária, para verem como é que em conjunto poderem ter aquilo que os pais e avós trabalharam para que eles tivessem uma fonte de rendimento e não uma fonte de problemas. É essencial completar o cadastro", pediu, acrescentando que "ninguém vai pagar impostos".



Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    13 jul, 2022 Lisboa 11:23
    Temos é de reintroduzir os governos civis e as capitais de distrito, com os órgãos que tinham e que conheciam o terreno como ninguém e sabiam de antemão o que necessitavam. E claro, dar-lhes os meios adequados. Isso seria um optimo passo, muito melhor que essa treta de "regionalização" que só serve para dar emprego aos Jotinhas das juventudes partidárias e multiplicar os "Terreiros do Paço" e que fora o do Porto, os outros não terão massa crítica, pessoas, estruturas, para vingar e serão apenas alfobres de "jobs for the boys".

Destaques V+