Tempo
|
A+ / A-

Estremoz encerra estrada devido a proximidade de pedreira

13 jul, 2022 - 07:10 • Rosário Silva

O trânsito é cortado temporariamente a partir desta quarta-feira. O presidente do município alentejano assegura que não há “risco iminente de derrocada”.

A+ / A-

O risco de derrocada do talude de uma pedreira, em Estremoz, está na origem do encerramento temporário ao trânsito, a partir desta quarta-feira, de uma das principais entradas da cidade alentejana.

O trânsito é cortado, num troço de 300 metros, entre a Avenida de Santo António, que liga Estrada Nacional 4 (EN4) ao centro de Estremoz e afetará, sobretudo, os automobilistas que se deslocam no sentido Elvas-Borba.

Desde 2019 que a situação está sinalizada. Três anos depois desta primeira avaliação, efetuada na sequência da derrocada em Borba, o autarca de Estremoz, José Daniel Sádio, decidiu, por questões de segurança, que era tempo de pedir um novo parecer ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

“O relatório do LNEC é muito claro. Em função daquilo que foi a sua vistoria no local, recomenda que se proceda ao encerramento daquele troço”, afirma, à Renascença, José Daniel Sádio.

O presidente da Câmara Municipal de Estremoz diz que “há risco”, embora não seja “um risco iminente de derrocada”.

“O risco que existe é que o talude onde assenta a base da estrada, mediante fenómenos extremos da natureza que não controlamos, pode levar a uma derrocada e a estrada está a menos de três metros do talude, com um plano de água que fica demasiado próximo”, explica o autarca.

Aprovado concurso com carácter de urgência

Proprietária, desde 2021, desta pedreira desativada, é ao município que cabe a solução de um problema que só vai ficar resolvido em definitivo, quando for feito o seu aterro.

Até lá, há que fazer um estudo hidrogeológico para se perceber o ciclo da água que está no interior da pedreira, numa operação que deve ser realizada entre “um a cinco anos”, de acordo com a recomendação do LNEC.

Quanto ao troço encerrado, esta quarta-feira, o presidente do município reconhece que a situação vai provocar “transtornos à população”, a quem pede “paciência”, mas também “às forças de segurança, emergência e socorro”, assim como “às empresas” do concelho.

Por isso mesmo, o executivo camarário decidiu fazer “uma revisão do orçamento”, estando agora a ser “desenvolvido o concurso com carácter de urgência”, para criar na avenida que agora encerra, um desvio.

“Este desvio permitirá aproximar a via mais o cemitério, e afastá-la em cerca de 30 metros, a lei só exige 15 metros, do talude”, descreve, José Daniel Sádio.

O autarca espera que “em setembro próximo”, já existam “condições para abrir o troço” agora encerrado, sendo que “iremos criar uma via asfaltada que permita, enquanto não chega uma nova ligação, voltarmos a ter condições para que o trânsito, entre e saia de Estremoz por aquele acesso”.

A médio prazo, o município pretende fechar em definitivo esta entrada da cidade, assim se concretize a nova ligação da EN4 a Estremoz, com o prolongamento da Avenida Rainha Santa Isabel.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+