Tempo
|
A+ / A-

Recorde dos últimos cinco anos: Portugal com 68 mortes em meio aquático

12 jul, 2022 - 06:35 • Lusa

Federação Portuguesa volta alertar para o facto de se está a registar uma enorme dificuldade na contratação de nadadores-salvadores.

A+ / A-

Portugal registou até 30 de junho, 68 mortes em meio aquático, um recorde dos últimos cinco anos, informou a Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (FEPONS).

As vítimas são sobretudo homens (72,1%) e as fatalidades verificam-se em locais não vigiados (97,15).

Os dados constam de um relatório do Observatório do Afogamento, da FEPONS, relativo ao primeiro semestre, no qual se destaca que se verificou um aumento dos óbitos nas idades mais jovens, até aos 24 anos, e que a maioria das vítimas mortais estava a tomar banho (26,5%), mas que 5,9% encontrava-se a passear junto à água ou a pescar (5,9%).

Por outro lado, verificou-se um "equilíbrio entre os registos no litoral e no interior", salientou a FEPONS em comunicado.

Em 2021, também entre janeiro e junho, tinham sido registadas 46 mortes; 64 em 2020; 44 em 2019; 53 em 2018 e 62 em 2017, de acordo com os dados do relatório.

"Num momento em que se está a registar uma enorme dificuldade na contratação de nadadores-salvadores, e num momento em que as temperaturas vão subir, estas conclusões preocupam a FEPONS, que apela à classe política uma urgente revisão da legislação deste setor", pode ler-se na mesma nota.

Segundo a federação, morreram 27 pessoas nas praias portuguesas nos primeiros seis meses deste ano - um número recorde dos últimos cinco anos.

A maior parte das mortes registadas em meio aquático ocorreram à tarde, na faixa etária entre os 20 e 24 anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+