Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Dia marcado por 27 cancelamentos no Aeroporto de Lisboa

05 jul, 2022 - 08:30 • Redação com Lusa

A Deco reclama "intervenção célere" para garantir direitos dos passageiros com voos cancelados.

A+ / A-

Continuam os cancelamentos de voos no Aeroporto de Lisboa. Para esta terça-feira está prevista a anulação de, pelo menos, 27 ligações aéreas, segundo com o site da ANA-Aeroportos.

Entre chegadas e partidas mais de metade dos cancelamentos diz respeito a voos da TAP.

A presidente da empresa já veio justificar as falhas no serviço da companhia com a falta de trabalhadores, uma crise a nível global que não deverá melhorar nas próximas semanas.

Entretanto, a Deco denuncia que os direitos dos passageiros com voos cancelados não estão a ser garantidos.

A Associação de Defesa do Consumidor tem vindo a receber "várias dezenas de reclamações" e pede uma intervenção rápida do Ministério das Infraestruturas e da Autoridade Nacional da Aviação Civil para acautelar os interesses dos passageiros afetados pelos cancelamentos de voos em Lisboa, cujo direito à assistência “não está a ser aplicado”.

“Isto não é uma situação nova, uma vez que disrupções e problemas no aeroporto [de Lisboa], infelizmente, têm sido cada vez mais constantes. O que nos preocupa são as respostas que estão sempre a ser dadas aos consumidores e, sobretudo, o facto de estes terem direitos que não são aplicados e de ser necessário ter planos de contingência preparados quer pela infraestrutura aeroportuária, quer pelas próprias transportadoras, para garantir o direito à assistência”, afirmou o coordenador do departamento jurídico da Deco à agência Lusa.

Planos de contingência precisam-se

Paulo Fonseca lembra que os passageiros do transporte aéreo “têm um conjunto de direitos que estão fixados e são automaticamente aplicáveis em situações de cancelamento, de recusa de embarque [devido ao designado ‘overbooking’] ou de atraso superior a três horas”, nomeadamente o direito à assistência e, embora com algumas exceções, o direito a indemnização.

Neste sentido, na carta enviada à tutela, ao ministério de Pedro Nuno Santos, a Deco destaca a “necessidade de impor quer às transportadoras, quer à infraestrutura aeroportuária, a implementação de planos de contingência em diferentes níveis, consoante o grau de afetação de passageiros e a natureza e duração da situação disruptiva”, de forma a “assegurar a assistência e demais direitos dos consumidores”.

Já no que diz respeito ao direito à indemnização, o coordenador do departamento jurídico da Deco explica que esta pode ir dos 250 euros aos 600 euros, “dependendo do tipo de voo e da distância”, e precisa que não é aplicável em algumas situações, “designadamente perante circunstâncias extraordinárias não oponíveis à própria transportadora, como uma intempérie, um ataque terrorista, uma guerra ou a situação vivida o ano passado com a pandemia, com a imposição do cancelamento dos voos”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Souza
    05 jul, 2022 Alverca do Ribatejo 08:21
    E o ministro que tutela, o tal que brinca aos aviões com dinheiro dos tugas, onde está? Já que gosta tanto de aviões, porque não vai brincar para o Aeroporto de Beja?? A comunicação social tem-se esquecido desse elefante branco!

Destaques V+