Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

PGR vai pedir extradição de jihadista português preso no Iraque

23 jun, 2022 - 10:58 • Anabela Góis , Olímpia Mairos

Nero Saraiva cumpre prisão no Iraque desde 2020. É suspeito de ter pertencido ao núcleo duro do autodenominado Estado Islâmico.

A+ / A-

A Procuradoria-Geral da República vai pedir a extradição de Nero Saraiva, o jihadista português que está preso no Iraque há dois anos e que é suspeito de pertencer ao núcleo duro do autodesignado Estado Islâmico.

A notícia avançada pela revista Sábado foi agora confirmada à Renascença pelo gabinete de Lucília Gago.

O pedido de extradição será apresentado, por via diplomática, uma vez instruído e traduzido.

O ex-combatente do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh), Nero Saraiva, foi preso em 2019 pelas forças curdas na Síria e foi transferido no início do ano seguinte para uma prisão no Iraque.

No nosso país, Nero Saraiva foi acusado de vários crimes de terrorismo, em conjunto com a chamada ‘célula de Leyton’, formada por oito jiadistas portugueses. O seu processo acabou, no entanto, por ser separado no início do julgamento, em setembro de 2020, porque se encontrava preso no Iraque.

Do grupo, apenas Rómulo Costa e Cassimo Turé, foram condenados, a nove e a oito anos e seis meses de prisão, respetivamente, por crimes de apoio a organizações terroristas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    23 jun, 2022 Aqui 16:15
    Deixai-o ficar numa prisão do Iraque. A única coisa de português que este indivíduo tem é o cartão de cidadão. Nada mais. Se vem para Portugal só vai fazer despesa uma vez que é necessário dar-lhe comida e lavar-lhe a roupa enquanto estiver na prisão.

Destaques V+