Tempo
|
A+ / A-

Varíola dos macacos. Proximidade com países africanos pode explicar aumento do número de casos

21 jun, 2022 - 18:59 • Redação

Esta terça-feira, Portugal ultrapassou a barreira dos 300 casos por varíola dos macacos. Virologista Pedro Simas desvaloriza o número de infeções registadas.

A+ / A-
Varíola dos Macacos. Que doença rara é esta que está a crescer em Portugal?
Varíola dos Macacos. Que doença rara é esta que está a crescer em Portugal?

O virologista Pedro Simas admite que a proximidade de Portugal com alguns países africanos pode explicar o aumento de casos de Monkeypox.

Em declarações à Renascença, Pedro Simas considera não haver nenhum motivo óbvio para justificar o aumento do número de casos da varíola dos macacos no país.

"Não há nenhuma explicação óbvia, mas há uma explicação intuitiva. Há um grande relacionamento entre Portugal e países de África que são endémicos para este vírus, mas isso é especulativo", confessa.

Pedro Simas reflete que o abrandamento nas vacinações contra a varíola representa um problema, não só em Portugal, mas a nível global.

"Deixámos de vacinar contra a varíola. A vacina é extremamente eficiente, ao contrário da vacina da Covid-19, e também protege contra a varíola dos macacos", sublinha.

Portugal ultrapassou, esta terça-feira, os 300 casos de Monkeypox. Ainda assim, o virologista não se mostra preocupado e desvaloriza o número de infeções registadas.

"Há pouco mais de 300 casos. Para uma infeção que não deveria haver transmissão comunitária são muitos, mas no contexto de população em geral, ainda não são muitos", conclui o virologista Pedro Simas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+