Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Educação não quer professores a fazer 200 Km para poderem dar aulas

01 jun, 2022 - 12:55 • Fátima Casanova

João Costa esteve na Renascença, onde anunciou a redução da dimensão dos Quadros de Zona Pedagógica. As negociações com os sindicatos devem decorrer neste verão.

A+ / A-
Ano letivo vai acabar com sete mil alunos sem, pelo menos, um professor, admite ministro
Ano letivo vai acabar com sete mil alunos sem, pelo menos, um professor, admite ministro

O ministro da Educação quer reduzir a dimensão dos Quadros de Zona, regiões do país onde os professores podem ser colocados.

“Durante o tempo da troika, estes Quadros de Zona foram alargados para regiões muito, muito grandes, o que faz com que um professor vinculado num Quadro de Zona ainda assim tenha deslocações de 200 quilómetros”, afirmou nesta quarta-feira de manhã.

João Costa assume que quer reduzir a dimensão dos Quadros de Zona, assumindo que é “um primeiro passo na redução da ‘casa às costas’ dos professores”.

Convidado do programa As Três da Manhã, o ministro da Educação acredita que essa alteração permite “fixar professores de forma mais permanente em determinados territórios com uma razoabilidade maior em termos das deslocações que possam estar envolvidas”.

Segundo o ministro, esta alteração vai ser objeto de negociação com os sindicatos, ainda neste verão.

Grupo de trabalho vai rever formação de professores

O ministro da Educação anunciou na Renascença a constituição de um grupo de trabalho, coordenado pela professora Carlinda Leite, “para rever os modelos de formação inicial de docentes e poder trazer estagiários da formação para as escolas, com turma completa”.

Segundo o ministro, estão previstos três modelos de formação: “formação inicial, formação em exercício e formação para aquelas pessoas que querem voltar” ao sistema de ensino.

Com esta preocupação na agenda, na sexta-feira (dia 3), o ministro da Educação vai reunir-se com responsáveis de todas as instituições de ensino superior que formam professores.

Para colocar mais professores nas escolas, João Costa quer rever as habilitações para a docência “para alimentar o leque de candidatos que podem ser professores”.

Refeições escolares ficam mais caras

O Ministério da Educação está a negociar com as empresas fornecedoras de refeições escolares a atualização do valor da comparticipação.

Segundo o “Jornal de Notícias”, as empresas reclamam um aumento para os três euros, um valor que o ministro rejeita. João Costa reconhece que, “neste momento, nós sabemos que há a subida de alguns valores decorrentes da inflação, mas não são valores que passem para o dobro, ou seja, a inflação não está nos 100%”.

Questionado sobre o valor que está em cima da mesa, o ministro da Educação diz que não pode “antecipar, porque é um processo negocial que está em curso”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+