Tempo
|
A+ / A-

Operação Showroom

Trinta e sete arguidos em caso de fraude e desvio de fundos europeus

24 mai, 2022 - 14:57 • Liliana Monteiro

Em causa estão suspeitas de fraude ligadas a projetos financiados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

A+ / A-

Um total de 37 pessoas e empresas foram constituídos arguidos no âmbito da Operação Showroom, que investigada alegadas fraudes e desvio de fundos europeus, avança a Polícia Judiciária (PJ).

"Na sequência das diligências, foi apreendida vasta documentação e outros elementos de prova, tendo em vista a sua análise, bem como foram constituídos 37 arguidos, 21 pessoas singulares e 16 pessoas coletivas", indica a PJ, em comunicado.

"Em causa estão factos relacionados com projetos suscetíveis de cofinanciamento pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através dos apoios diretos à Internacionalização das PME, no âmbito do Portugal 2020, que envolvem incentivos superiores a 3 milhões de euros.”

A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, realizou hoje 54 buscas de norte a sul do país.

As diligências decorreram na zona de Aveiro, Beja, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Porto, Portalegre, Santarém e Setúbal.

Foram realizadas buscas “em escritório de advogado, residências e escritórios de diversas sociedades”.

O inquérito corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e “os factos em investigação são suscetíveis de consubstanciar os crimes de fraude na obtenção de subsídio e fraude fiscal qualificada”.

Nesta operação participaram um juiz de instrução criminal e seis procuradores da República, cerca de duas centenas de investigadores e peritos da Polícia Judiciária, bem como elementos do Núcleo de Assessoria Técnica da PGR.

A investigação ainda prossegue.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • John
    25 mai, 2022 Lisboa 19:24
    De certeza que deve haver indivíduos do governo metidos nessa corrupção. Os nomes deveriam ser expostos, pois o povo tem direito a saber quem são os seu governantes envolvidos anda a roubar.
  • EU
    24 mai, 2022 PORTUGAL 15:33
    Já repararam que este PAÍS tão pequenino é GRANDE em CHICOESPERTISMO? Ou se quiserem, é só MITRAS.

Destaques V+