Tempo
|
A+ / A-

​Psicóloga alerta: "Covid-19 fez disparar o consumo de antidepressivos nos jovens"

20 mai, 2022 - 15:49 • Núria Melo

A Ordem dos Psicólogos Portugueses revela que o volume de trabalho está a multiplicar e que a pandemia veio agravar as desigualdades.

A+ / A-

Desde o início da pandemia 56,7% dos psicólogos dizem ter aumentado o volume de trabalho. Dados revelados num estudo da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) sobre as condições do trabalho dos psicólogos face à pandemia.

Se antes da pandemia mais de 4% dos profissionais se encontravam desempregados essa percentagem diminuiu, 2 anos depois, devido ao atual aumento de consultas.

Uma situação adversa que mexeu com a saúde mental dos portugueses e que no caso dos jovens fez disparar o consumo de antidepressivos.

É o que revela Ana Sofia Neves, psicóloga e professora universitária.

Em entrevista à Renascença, a psicóloga questiona as medidas que devem ser adotadas para minimizar possíveis efeitos nocivos nos estudantes já que "se devem prolongar a médio e logo prazo".

Tem se verificado "não só um aumento da sintomatologia depressiva, mas também da ansiosa", revela Ana Sofia Neves.

A OPP alerta que a covid-19 veio expor e aumentar algumas fragilidades da sociedade e agravou os níveis de pobreza e assimetrias sociais.

Ora, à Renascença, Ana Sofia Neves, recorda que nem todos os alunos tinham acesso a recursos tecnológicos e isso foi prejudicial para a aprendizagem.

"A pandemia veio agravar quem já estava com dificuldades", salienta a professora e acrescenta "não basta ter um computador, é preciso ter literacia tecnológica".

Com o regresso às aulas presenciais, a professora diz que são notórias as diferenças e dificuldades sentidas pelos estudantes.

Ana Sofia Neves refere os alunos do ensino superior regressaram aos estabelecimentos de ensino, mas "com dificuldades de concentração e atenção".

Depois de vários meses com acesso diário a computadores e telemóveis, a psicóloga conta que "há uma grande dificuldade em desligar das tecnologias e privilegiar o foco nas relações humanas".

A saúde mental é um dos aspetos mais preocupantes que a psicóloga identifica como prioritário o tratamento.

É urgente "não só capacitar os alunos e alunas para o exercício das suas profissões futuras", mas também cuidar e zelar para que o bem estar, a saúde e a qualidade de vida "sejam prioridades".

Ana Sofia Neves admite que há ainda "vergonha em não se estar bem", mas reforça que "não há vergonha em não se estar bem" e é preciso cuidar da saúde mental.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+