Tempo
|
A+ / A-

Metro de Lisboa. Confira o calendário de greves para o resto de maio e junho

17 mai, 2022 - 17:33 • Diogo Camilo e Ana Carrilho

Novo pré-aviso para junho coloca em risco o prolongamento dos horários habituais durante os Santos Populares e em eventos especiais como o festival Rock in Rio. Em menos de meio ano, trabalhadores já convocaram 10 dias de paralisações parciais.

A+ / A-

Veja também:


Esta quarta-feira realiza-se nova greve parcial dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, não havendo circulação de comboios entre as 5h00 e as 9h00 da manhã, prevendo-se que o transporte só tenha início a partir das 9h30. Mas as paralisações não devem parar por aqui.

Isto porque foi entregue um pré-aviso de greve para junho, que pode colocar em risco o prolongamento de horários habituais durante os Santos Populares e durante eventos especiais, como o festival de música Rock in Rio, que acontece nos fins de semana de 18 e 19 de junho e 25 e 26 de junho.

Habitualmente, na noite de Santo António de 12 para 13 de junho, a linha verde e azul do metro de Lisboa têm o seu horário estendido devido às festas populares, que este ano voltam à rua depois de dois anos sem se realizarem devido à pandemia de covid-19.

A decisão saiu de um plenário realizado esta terça-feira de manhã e passa a abranger todos os trabalhadores do Metro de Lisboa, disse à Renascença Nuno Fonseca, presidente do SITRA.

“A curto prazo, estamos a falar do Rock in Rio e dos Santos Populares”, confirma o sindicalista.

Apesar de já haver reuniões com a administração e que visam especialmente a situação dos trabalhadores da Direção Operacional, entre os quais os maquinistas, segundo Nuno Fonseca, não há qualquer aproximação.

Por isso, as greves parciais vão continuar e podem evoluir para período mais prolongados, eventualmente, para uma greve de 24h00.

Até lá, está ainda prevista outra greve parcial, para a sexta-feira da próxima semana, dia 27 de maio, também entre as 5h00 e as 9h00, por protesto contra a falta de condições de trabalho na área operacional.

Trabalhadores já convocaram 10 dias de greve em 2022

A situação de trabalhadores no Metro de Lisboa não é nova: em janeiro, uma greve parcial prevista para os dias 17 e 19 janeiro foi desconvocada, após trabalhadores terem informado sobre um “diálogo significativo” entre empresa e sindicatos.

No entanto, dois meses depois, as paralisações foram mesmo para a frente, com greves parciais a 11 e 18 de março. A 14 e 22 de abril, duas novas greves parciais entre as 5h00 e 10h00.

Desde então, todas as semanas, à exceção de uma, têm registado paralisações parciais de trabalhadores do Metro. Com a greve que acontecerá esta quarta-feira e a da próxima semana, serão 10 dias de protesto em menos de meio ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+