Tempo
|
A+ / A-

Covid-19 foi a segunda causa de morte em 2020 e vitimou mais os homens

16 mai, 2022 - 12:52 • Olímpia Mairos

Na origem do maior número de óbitos em Portugal em 2020, continuam a estar as doenças do aparelho circulatório, registando uma subida de 2,9% em relação ao ano anterior.

A+ / A-

O nosso país registou em 2020, primeiro ano da pandemia, 7. 125 óbitos devido à doença Covid-19, representando 5,8% do total de mortes.

De acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), os óbitos devido à Covid-19 constituem a “segunda principal causa de morte no ano”.

O resultado tem em conta o número de óbitos “em que a causa básica de morte, ou seja, a doença que iniciou a cadeia de acontecimentos patológicos que conduziram à morte, foi a doença Covid-19”, explica o INE.

A taxa de mortalidade, que se situou nos “69 óbitos por cada 100 mil residentes em Portugal” foi "mais elevada nos homens (76,4 por 100 mil homens) do que nas mulheres (62,5 por 100 mil mulheres)”.

Já a idade média ao óbito foi mais elevada nas mulheres (83,4 anos) do que nos homens (79,9 anos).

Segundo o INE, “64,0% das mortes causadas por Covid-19 (4. 558 óbitos) ocorreram nos meses de novembro e dezembro de 2020”.

Na origem do maior número de óbitos em Portugal em 2020 (34. 593), continuam a estar as doenças do aparelho circulatório, registando uma subida de 2,9% em relação ao ano anterior.

No conjunto de doenças, destacaram-se “as mortes por acidentes vasculares cerebrais (11. 439), com uma subida de 4,2% em relação ao ano anterior. Em contrapartida, registaram-se menos óbitos por doença isquémica do coração (6. 838 óbitos) e por enfarte agudo miocárdio (4. 086 óbitos), em ambos os casos menos 4,4% do que em 2019”.

Segundo o INE, as mortes provocadas por tumores malignos da traqueia, brônquios e pulmão diminuíram (4. 318 mortes)”, representando “menos 2,0% do que no ano anterior, que representaram 3,5% do total de mortes no país (3,9% em 2019 e 3,8% em 2018)”.

Já os tumores malignos do cólon, reto e ânus representaram 3,1% da mortalidade em 2020 (3,4% nos dois anos anteriores), com 3. 810 óbitos.

Por fim, as doenças do aparelho respiratório, que em conformidade com o definido pela Organização Mundial da Saúde para a classificação CID-10 não incluem a doença Covid-19, “causaram 11. 266 óbitos, menos 8,0% do que em 2019 e representaram 9,1% da mortalidade total ocorrida no país.

“Neste grupo, destacaram-se as mortes provocadas por pneumonia, com 4. 359 óbitos, que representaram 3,5% da mortalidade ocorrida em 2020 (4,2% em 2019 e 5,1% em 2018) e diminuíram 7,3% em relação ao ano anterior”, indica o Instituto Nacional de Estatística.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+