Tempo
|
A+ / A-

Refugiados. Autarca de Cascais diz que caso de Setúbal podia acontecer em qualquer concelho

13 mai, 2022 - 16:20 • Manuela Pires

Em entrevista à Renascença, Carlos Carreiras diz que recomendou a criação de uma associação só de ucranianos, com quem a autarquia está a trabalhar.

A+ / A-
Carlos Carreiras em declarações à jornalista Manuela Pires
Carlos Carreiras em declarações à jornalista Manuela Pires
Carlos Carreiras em declarações à jornalista Manuela Pires

É o segundo concelho do país com maior número de refugiados ucranianos. Em Cascais, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) regista 2.300 pessoas. Há duas semanas chegou a Cascais mais um grupo de 150 refugiados ucranianos provenientes de Varsóvia, na Polónia. Vieram num voo humanitário operado por uma companhia aérea ucraniana que desta forma pode continuar a trabalhar durante a guerra. Nesta altura estão a caminho mais 50 “convidados ucranianos”, como o presidente da Câmara, Carlos Carreiras, chama a todas estas pessoas que fogem da guerra na Ucrânia.

Desde cedo que a autarquia se mobilizou para ajudar. Criou dois centros de acolhimento, um de emergência com capacidade para 230 camas, onde os refugiados ficam apenas poucos dias e têm acesso a consultas médicas e de psicologia. Depois passam para outro centro, há seis espalhados pelo concelho, até se encontrar uma solução definitiva.

Foi tudo muito rápido e todo este processo era novo para a autarquia. Carlos Carreiras diz que desde cedo que conta com a ajuda de ucranianos que já viviam no concelho, mas acredita que foi uma sorte não ter acontecido o mesmo que em Setúbal.

“Qualquer presidente de câmara podia estar numa circunstância de lhe acontecer algo parecido com aquilo que terá acontecido em Setúbal”, afirma Carlos Carreiras em entrevista à Renascença.

No entanto, o autarca conta que desde o início teve a preocupação de avisar que: “não podemos criar um estigma contra os russos, alguns vivem no concelho há muitos anos, e muitos também fugiram do regime de Putin”.

"Qualquer presidente de câmara podia estar numa circunstância de lhe acontecer algo parecido com aquilo que terá acontecido em Setúbal"

O que é certo é que com a invasão russa à Ucrânia era preciso ter outros cuidados e, por isso, Carlos Carreiras recomendou a criação de uma associação só de ucranianos, com quem a autarquia está a trabalhar.

“Há uma associação que está a trabalhar connosco que é oriunda de uma outra associação de imigrantes de leste que juntava russos e ucranianos. Desde logo que me apercebi que com a guerra esta não era uma boa ideia”, conta sublinha o autarca de Cascais.

Recomendou então que fosse criada uma associação só de ucranianos que fosse registada no Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e terem a validação por parte da embaixada ucraniana em Lisboa. E assim aconteceu. “Era preciso criar filtros para diminuir o risco de uma situação que nós desconhecíamos”, remata o presidente da Câmara de Cascais.

Mas Carlos Carreiras não ficou por aqui. Com uma situação nova que era preciso resolver e perante os relatos de redes de tráfico de seres humanos, a Câmara de Cascais contactou ainda “autoridades de segurança pública e o Ministério Público para que os ucranianos se sentissem acompanhados e até agora está a funcionar bem”.

"Não podemos criar um estigma contra os russos"

Dos 2.300 refugiados ucranianos que estão registados em Cascais, 1.600 já tiveram algum contacto com a câmara para qualquer tipo de ajuda, alimentar, médica, para colocar as crianças nas escolas ou para encontrar um emprego.

A autarquia aprovou um fundo de um milhão de euros para ajuda de emergência, mas o Carlos Carreiras diz que só gastaram ainda metade porque a população e as empresas do concelho têm sido uma parte muito importante neste auxílio aos refugiados ucranianos que fogem da guerra.

Carlos Carreiras conta à Renascença que, logo no início, um casal de alemães ofereceu mais de 30 eletrodomésticos para os centros de acolhimento e muitas empresas do concelho já aceitaram trabalhadores ucranianos.

Há ainda uma conta que tem nesta altura 100 mil euros, de donativos que não param de chegar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+