Tempo
|
A+ / A-

Casal russo no centro da polémica de Setúbal garante não ter "nada a esconder"

12 mai, 2022 - 22:07 • Redação

Igor Khashin e Yulia Khashin indicam que não foram constituídos arguidos depois das bucas da Polícia Judiciária à Linha de Apoio a Refugiados de Setúbal.

A+ / A-

Igor Khashin e Yulia Khashin, que tem estado no centro da polémica da Câmara de Setúbal, pelo seu papel no acolhimento de refugiados ucranianos na autarquia, garante que não partilhou os dados pessoais de ucranianos com as autoridades russas.

Em entrevista a ser divulgada esta sexta-feira no jornais Público e O Setubalense, o casal garante não ter nada a esconder. A dupla indica que não foram constituídos arguidos depois das bucas da Polícia Judiciária à Linha de Apoio a Refugiados de Setúbal. "A Judiciária que faça o seu trabalho, não temos nada a esconder", diz Igor Khashin.

Lamentam ainda que o seu trabalho de 20 anos à frente da associação Edinstvo tenha sido "destruído num dia". "Nós moramos cá há mais de 20 anos, a nossa associação foi fundada em 2002 para dar resposta às necessidades dos imigrantes, trabalhamos com todos. A maior parte da associação são imigrantes do Leste, sendo a maioria ucranianos, moldavos e russos. Mas russos são muito poucos", acrescenta Igor.

Nestas declarações explicam que os dados recolhidos foram encaminhados apenas para o IEFP para inscrever os refugiados no curso de português.

"Estávamos sempre acompanhados por uma portuguesa. Era ela quem preenchia os formulários. Foram tiradas fotocópias do passaporte e da certidão de registo de proteção temporária, que foram juntas ao processo e guardadas na câmara", explica Yulia Ksashin.

A mulher de Igor justifica ainda que "a digitalização é feita para carregar na plataforma do SEF, para fazer o pedido de proteção temporária".

"Temos de digitalizar os documentos e anexar na plataforma. As questões, colocadas pela plataforma do SEF, e não por nós, são o nome da mãe, nome do pai, local de nascimento, agregado familiar. Tem de ir tudo preenchido", explica.

Igor adianta que participou no acolhimento de refugiados ucranianos porque só assim mostrava a sua vontade de apoiar as pessoas e lembra que "tudo começou de repente", ninguém estava preparado e que ele tinha experiência e algum trabalho desenvolvido naquela área.


Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+