A+ / A-

Urgências das Caldas em situação limite

28 abr, 2022 - 17:09 • Teresa Paula Costa

Grupo de médicos fala em “rutura completa”. Depois de manifesto de internistas, administração do hospital reforçou escalas com tarefeiros.

A+ / A-

Um grupo de 23 médicos do Centro Hospitalar do Oeste diz que o serviço de urgências do Hospital das Caldas da Rainha está em “rutura completa”.

Há uma semana tornou público um manifesto no qual os chefes de equipa apresentaram a sua demissão da chefia, por não estarem reunidos os mínimos exigidos em termos de recursos humanos.

Na sequência, sabe a Renascença, o Conselho de Administração do Centro Hospitalar reforçou as escalas.

Joana Louro, uma das médicas que assinaram o manifesto, revelou à Renascença que “a escala está mais composta à custa de médicos tarefeiros contratualizados”. Uma solução menor, pois “os médicos do quadro continuam a ser os mesmos”, lamentou a internista.

O recurso a médicos tarefeiros não é de agora, esclarece a presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste.

Defendendo “a preocupação de preencher a escala o mais possível, cumprindo o que está disponível”, Elsa Baião assumiu que “vamos continuar a tentar contratar profissionais em regime de contrato de trabalho e não em prestação de serviços”.

A questão é que, quando os concursos são abertos, poucos se candidatam ao Centro Hospitalar do Oeste.

Os médicos internistas dizem que vão aguardar para ver a escala de maio e de junho.

Joana Louro afirmou que é preciso “saber como é que as escalas se vão manter nos próximos meses de maio e junho, porque o que já começa a acontecer é voltarem a pedir-nos mais turnos para ‘tapar os buracos’”.

Relativamente à escala de maio, a administração do hospital garante que ela segue os mesmos critérios desta reorganização, pelo que cumpre os requisitos mínimos exigidos pelos médicos internistas.

Enfermeiros com despedimento à porta

Entretanto, esta quinta-feira de manhã, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses concentrou-se junto à porta do Hospital das Caldas em protesto contra o alegado anunciado despedimento de seis enfermeiros.

Ivo Gomes exige que “estes colegas não saiam do Serviço Nacional de Saúde, que, no mínimo, os seus contratos sejam renovados” e que “estes contratos tenham vínculo definitivo”, até porque “se neste momento são seis contratos em jogo, mas podem chegar a 15”.

O enfermeiro diz não compreender como é que podem sair profissionais, quando a unidade de saúde não está a conseguir dar resposta à afluência de utentes e revelou que o Ministério da Saúde já conhece a situação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+